Resenha: Crônica de uma Morte Anunciada – Gabriel García Márquez

1
2096

“Uma acusação decisiva… uma morte esperada… um crime inevitável… uma verdade revoltante… um destino fatal… impossível de ser evitado… uma mentira como proteção… um mistério a ser desvendado…”

Assim é o livro “Crónica de una muerte anunciada” de Gabriel García Márquez que após uma busca árdua por fim consegui encontrar.

Gabo com seu total estilo sul-americano, nos brinda com uma trama repleta de paixão, de personagens marcantes e cadenciados, além de ambientes descritos com uma intensidade alucinante, que faz com que o leitor seja capturado nas primeiras linhas.

O narrador, que também é personagem da trama, narra os fatos – com minúcia jornalística – alguns anos após terem ocorrido. Já no princípio o leitor fica ciente da morte de Santiago Nasar que foi acusado por uma noiva de desonra na noite de núpcias.

El día en que lo iban a matar, Santiago Nasar se levantó a las 5.30 de la mañana […]. Había soñado que atravesaba un bosque de higuerones donde caía una llovizna tierna, y por un instante fue feliz en el sueño, pero al  despertar se sintió por completo salpicado de cagada de pájaros. «Siempre soñaba con árboles», me dijo Plácida Linero, su madre, evocando 27 años después los pormenores de aquel lunes ingrato.

O ritmo frenético da trama faz com que o leitor se sinta movido a devorar o livro página atrás de página com incrível sofreguidão. Apesar de já sabermos desde o início que Santiago Nasar terá como fim a morte, a forma como se desenrola a estória prende nossa atenção do princípio ao fim. Gabriel García Márquez mostra toda sua já conhecida genialidade ao agredir o leitor com sua franqueza e ausência de receio em suas descrições fortes e verossímeis, característica dos grandes escritores de sangue latino.

Pero cuando quitó la tranca de la puerta no pudo evitar otra vez la mano de gavilán carnicero. «Me agarró toda la panocha -me dijo Divina Flor-. Era lo que hacía siempre cuando me encontraba sola por los rincones de la casa, pero aquel día no sentí el susto de siempre sino unas ganas horribles de llorar.»

Crónica de una muerte anunciada, como eu disse anteriormente, é uma obra que gira em torno de anunciar a morte de Santiago Nasar, contada por um narrador não onisciente, mas um narrador que buscou todas as informações para escrever a crônica.

Sem dúvida temos nessa obra um envolvente quebra-cabeças, no qual, as peças vão se encaixando pouco a pouco por meio das inúmeras versões de testemunhas que estiveram próximas ao protagonista.

Fica aqui o convite para ler esse excepcional livro de um dos maiores expoentes do Realismo Mágico, Gabriel García Márquez.