Tag: Ficção

Lavoura arcaica, um tema eterno

O tema familiar e suas obsessões é retomado em Lavoura Arcaica, bem como suas implicações Tendo como pano de fundo a família patriarcal, o autor nos convida a examinar os mecanismos…

Sobre a fazenda e os cenários luminosos de John Updike

Quando uma fazenda vira uma arena de brigas domésticas John Hoyer Updike nasceu em Shilington, na Pennsylvania, estado norte-americano, no dia 18 de março de 1932. Filho de professor de matemática…

O anseio humano de fazer do desfecho um recomeço: “Os lados do Círculo”, Contos de Amílcar Bettega Barbosa

O livro-círculo se fecha onde se inicia – ou recomeça ou acaba   Os lados do Círculo, de Amílcar Bettega Barbosa, é um livro curto, mas que, pela sua densidade,…

Trecho de “Meia-noite e vinte”, novo romance de Daniel Galera

A cabeça de Antero já era, alguns anos antes da virada do milênio, um aperitivo do que se tornaria o pensamento na era do Google e da Wikipedia Quem acompanha…

A ressurreição da mentira em “Grito”, de Godofredo de Oliveira Neto

Uma senhora na casa dos oitenta. Um jovem de dezenove, quase vinte, anos. Dois apartamentos em Copacabana. E a Arte. Na verdade, inverta a ordem aí. Coloque a Arte na…

Dostoiévski e uma fanfic inacabada?

Seria Niétotchka Niezvânova uma fanfic? Todo aficionado por livros, séries e/ou filmes, em algum momento da adolescência sucumbiu aos encantos de uma “fan fiction”, as populares “fanfics”. Seja pela busca de…

Musas, truques e pudins

Mas podemos às vezes nos contentar com um singelo pudim Ela não precisa apertar a campainha. Subitamente entra no recinto, clareando sua visão e eriçando os cabelos da nuca. E…

De quem são esses ‘Rostos na Multidão’

Dois personagens se entrelaçam e suas vozes parecem uma em Rostos na Multidão Uma jovem mãe, um menino-médio, uma bebe, fantasmas e mais fantasmas. Esses são os pilares de Rostos…

Meras notícias de rodapé

Sobre crimes em romances policiais e a narrativa da violência na vida real – são importantes ou meras notícias de rodapé?   Se há uma coisa que permanece imutável desde…

O medonho despertar de James Joyce em Finnegans Wake

Finnegans Wake não pede a nossa compreensão, apenas que a gente se jogue Surtei de vez e resolvi ler Finnegans Wake, o ápice criativo (e destrutivo) do irlandês James Joyce….

@homoliteratus on Instagram