Antígona e Medeia: e a questão do fim da arte em Hegel

É mesmo o fim da arte? Nesse texto procuraremos discutir os conceitos de estado heroico e estado prosaico por meio das tragédias Antígona (442 ou 441 a. C.) e Medeia (431 a. C), e com isso evidenciar o fim do modo de arte grega ao mesmo tempo em que se anuncia o início da forma […]

Revisitando a condição humana

Para começar nossa reflexão, gostaria de apresentar o seguinte poema: Com quem posso falar hoje? Os irmãos são maus; Os amigos de hoje não amam. Com quem posso falar hoje? O homem gentil sucumbiu; O atrevido anda em toda parte. Com quem posso falar hoje? De desgraças estou carregado, Sem nenhum amigo de boa-fé. Com […]

Resenha: A arte de escrever – Arthur Schopenhauer

O livro é uma coletânea de cinco ensaios de Schopenhauer, são eles: Sobre a erudição e os eruditos, Pensar por si mesmo, Sobre a escrita e o estilo, Sobre a leitura e os livros e Sobre a linguagem e as palavras.
O estilo do autor na apresentação de seus argumentos é simples e direto, o que, por consequência, o faz atacar a filosofia “complexa” de Hegel, seu contemporâneo. Segundo ele o outro filósofo escrevia muito sem dizer nada, uma crítica contra erudição, denunciada por ele:

“Espíritos de primeira categoria nunca se tornarão especialistas eruditos. Para eles, como tais, a totalidade da existência é que se impões como problema, e é sobre ela que cada um deles comunicará à humanidade novas soluções”. (Pág. 31)

O filósofo denuncia o rumo que a literatura alemã estava tomando, como nos trechos: Read more about Resenha: A arte de escrever – Arthur Schopenhauer