O medonho despertar de James Joyce em Finnegans Wake

Finnegans Wake não pede a nossa compreensão, apenas que a gente se jogue Surtei de vez e resolvi ler Finnegans Wake, o ápice criativo (e destrutivo) do irlandês James Joyce. Li sobre essa coisa algumas vezes, e após algumas leituras do Dublinenses, do e sobre o Ulysses, uma leitura do Retrato do Artista quando Jovem […]

‘My Beautiful Broken Brain’ e o papel da linguagem na construção do indivíduo

My Beautiful Broken Brain, documentário da Netflix, destaca a importância geral das palavras nas relações sociais dos indivíduos “Mesmo a forma mais simples de consciência merece ser vista, ouvida, contemplada e percebida” (David Lynch) A Netflix estreou no dia 18 de março o documentário My Beautiful Broken Brain que, de forma surpreendente, mergulha na mente humana e […]

Pão com breguedefe ou a receita do bagulho da linguagem

Um redator pode ficar meio paranoico quando sai do carrossel da linguagem escrita e se confunde com as linguagens da rua Quando minha máquina do tempo voltar do conserto, vou viajar para o Rio de Janeiro lá de 1940 ou 1950, procurar meu paranoico favorito e o trazer à nossa época. E quero sua presença […]

O demônio da linguagem

A Literatura, a Música e o Cinema comandam um banco de palavras. Elas misturam suas produções e uma faz referência à outra, e neste banco sempre há espaço para clientes vitalícios, aceitos sem questionamentos ou cobranças. Seus correntistas favoritos são os pretensiosos (feito eu) que buscam lapidar o raciocínio pela linguagem ou pensar menos errado graças […]

Em busca da linguagem como escritor – de Suassuna a Guimarães Rosa

Uma brevíssima “comparação” da construção das palavras nas obras de Ariano Suassuna e Guimarães Rosa. Ouvi num dos episódios do Podcast 30:MIN alguém comentar que um determinado escritor brasileiro atual desenvolvera uma linguagem que tornava a leitura do seu livro bastante agradável, e atribuiu essa característica ao fato de que ele costuma ler bons autores […]

Qual a função da linguagem em Santo Agostinho?

Na lacuna que separa a Idade Antiga da Idade Medieval, coabita o legado filosófico de Santo Agostinho. Um homem de dois lados: antigo em sua maneira de fazer filosofia, mas também capaz de antever aquilo que seria próprio da cultura medieval. Um homem que, como muitos, se vê dividido entre o mundo sensível e o […]

Caio Fernando Abreu e a imprecisão das palavras

As possibilidades da linguagem, tendo como exemplo Para uma avenca partindo, de Caio Fernando Abreu. A linguagem é rica de sentidos e, como consequência, pobre de entendimentos. Com uma única palavra pode-se fazer referência a uma infinidade de objetos e fenômenos. E como oportuno trocadilho, apresento-lhes o verbete “casa”; sabe-se que a casa concreta de tijolos não […]