Sonetos herzoguianos para orgulho do “Boca do Inferno” e sarro de quem lê

A carnavalização amorosa e sociopolítica em Sonetos de amor em branco e preto, de Manoel Herzog Em Sonetos de amor em branco e preto (2016), o escritor Manoel Herzog libera a verve clássica – o soneto é uma forma clássica de 14 versos decassílabos (mormente) – sem perder a exuberância fescenina. Ao longo das 150 […]