“Fazer amor é um ato sem importância, já que se pode repeti-lo indefinidamente” E não o é? Assim começa o romance de Alfred Jarry. Parece banal perante a todas as discussões…