3º Capítulo do Litercultura 2015 mostra a expansão do festival – um dos maiores do país

Veja a programação completa e por que você precisa ir ao Litercultura 2015, em Curitiba.

litercultura

A primeira edição do festival curitibano foi em 2013, com a presença de um Prêmio Nobel de Literatura, o sul-africano J. M. Coetzee. De lá para cá, outros grandes nomes foram postos em contato com o público através do Litercultura. Gente como: Alberto Manguel, Ana Maria Machado, Chico César, Cristóvão Tezza, Gonçalo M. Tavares, Miguel Sanches Neto, Sílio Boccanera e, este ano, José Luís Peixoto, Márcia Tiburi e Gianni Vattimo.

Como descrito em seu site oficial, o festival se empenha em não ser apenas uma festa ou feira, mas sim um encontro de autores que falam de sua “experiência de escrita, e discutem temas pertinentes à literatura e à realidade.” Além, é claro, de vender livros.

A edição de 2015 envolve literatura, teatro, cinema e música em uma convergência de artes que alcança toda a cidade. Não é sempre que se veem em palcos brasileiros nomes como o de Alan Paus, falando de sua carreira de ficcionista, roteirista e editor de suplementos literários. Ou uma dupla tão importante para o cenário contemporâneo da literatura brasileira, como Marcelino Freire e João Anzanello Carrascoza. Ou em um dia um sarau erótico e no outro, uma discussão filosófica bem-humorada com Luiz Felipe Pondé – mais abaixo, você confere a programação completa do festival, onde, com certeza, há uma atração que atende ao seu gosto, diante de possibilidades tão plurais.

O mais importante: a entrada é franca, com encontros nos dias 23, 28, 29 e 30 de agosto.

 

PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

 

DOMINGO 23 de agosto

Exibição de filme e bate-papo

Bate-papo com o jornalista e crítico de cinema Marden Machado sobre a obra do escritor e cineasta argentino Alan Pauls, seguido da exibição do filme O Passado, adaptação do livro homônimo do autor que estará presente na mesa de abertura do festival.

19h30 – Bate-papo com Marden Machado

20h10 – Exibição do filme O Passado. Obra argentino-brasileira de 2007, dirigida por Hector Babenco com Gael García Bernal e Paulo Autran no elenco.

Local: Cinemateca, ingressos retirados na bilheteria antes do evento

 

SEXTA 28 de agosto

Sessão 1  ­– 19h30 ­– Abertura do Litercultura com ALAN PAULS – “Retábulo platense”

(mediação de Christian Schwartz)

Um dos maiores nomes da literatura argentina atual, o autor de O Passado e da trilogia História do pranto, História do cabelo e História do dinheiro abre o Litercultura falando de sua obra como ficcionista, roteirista e editor de suplementos literários.

Local: Palacete Garibaldi


Sessão 2
 ­– 21h ­– LILIA MORITZ SCHWARCZ e HELOISA MURGEL STARLING – “O Brasil como personagem”

(mediação de Manuel da Costa Pinto)

A antropóloga Lilia Moritz Schwarcz e a historiadora Heloisa Murgel Starling apresentam Brasil: Uma Biografia, livro no qual encontraram uma forma peculiar de interpretar um país marcado pelo personalismo e pelos limites tênues entre os âmbitos público e privado.

Local: Palacete Garibaldi

 

SÁBADO 29 de agosto

Sessão 3 ­– 14h30 ­– JOCA REINERES TERRON e CHRISTIAN SCHWARTZ – “A Curitiba Oculta de Jamil Snege e Manoel Carlos Karam”

(mediação de Luís Henrique Pellanda)

Iconoclastas, undergrounds, anárquicos: são termos usados para descrever Jamil Snege (1939-2003) e Manoel Carlos Karam (1947-2007), autores de obras inclassificáveis tão celebradas quanto desconhecidas. O escritor Joca Reiners Terron e o tradutor Christian Schwartz lançam o olhar da nova geração sobre esses ícones da insubordinação.

Local: Palacete Garibaldi

 

Sessão 4 – 16h – MARCELINO FREIRE e JOÃO ANZANELLO CARRASCOZA – “Vasto mundo, microcontos”

(mediação de Manuel da Costa Pinto)

Em mesa promovida pelo Itaú Cultural, dois dos principais escritores da prosa brasileira contemporânea falam de suas obras a partir de diferentes experiências “espaciais” – expansão e concisão. Marcelino Freire prepara um livro que responde à questão: “Que Brasil é este?”, enquanto Carrascoza reúne micronarrativas que correspondem à tendência atual de redução da forma.

Local: Palacete Garibaldi

 

Sessão 5 ­– 17h30 ­– PAULO VENTURELLI e JOSÉ CASTELLO – “Matéria de ficção”

(mediação de Flávio Stein)

Seja na poesia, na prosa ou no teatro de Venturelli, seja nos romances, nas reportagens e nos ensaios críticos de Castello, o ato de ler penetra o imaginário do escritor, convoca seus fantasmas e oferece formas de organizar a subjetividade dentro de uma dicção pessoal.

Local: Palacete Garibaldi

 

Sessão 6 ­– 19h30 – ELIANE ROBERT MORAES e REINALDO MORAES + SEX LIBRIS SARAU ERÓTICO

(mediação de Pedro Gonzaga e Manoela Leão)

(19h30) A maior especialista brasileira na obra do marquês de Sade e organizadora da recém-lançada Antologia da poesia erótica brasileira, e o autor do anárquico romance Pornopopéia conversam sobre a tradição do erotismo no Brasil e sobre o poder ainda e sempre perturbador da criatividade obscena num mundo dominado pela indústria da pornografia.

(20h30) Performance com as atrizes Chiris Gomes, Katia Horn e Melina Mulazani

(21h00) Após as preliminares do Litercultura, Eliane Robert Moraes, Reinaldo Moraes e Pedro Gonzaga se juntam a Marcelino Freire e à mediadora Manoela Leão para um sarau da série Sex Libris: uma leitura comentada de textos de alta voltagem erótica, explorando os prazeres de todos os gêneros literários para o gozo de ouvintes de todos os gêneros.

Local: TUC

 

DOMINGO 30 de agosto

Sessão 7 ­– 15h ­– CHRISTIAN INGO LENZ DUNKER e LUIZ FELIPE PONDÉ – “O Brasil dividido”

(mediação de Manuel da Costa Pinto)

As manifestações que varreram o Brasil nos últimos anos e os resultados das eleições presidenciais de 2014 expuseram as fraturas que atravessam o país não apenas no campo da ideologia, mas também dos costumes e da religião. Para debater esse acirramento que opõe esquerda e direita, progressistas e conservadores, ateus e fundamentalistas, o Litercultura promove um debate entre o psicanalista Christian Ingo Lenz Dunker e o filósofo Luiz Felipe Pondé, que representam diferentes pontos de vista na cena pública.

Local: Palacete Garibaldi

 

Sessão 8 ­– 16h15 ­– TEIXEIRA COELHO – “Pontos de fuga: a experiência estética contra o peso da história”

(mediação de Manuel da Costa Pinto)

Com o romance Colosso Teixeira Coelho ilumina retrospectivamente seus livros anteriores, que integram a série “O Anjo da História” e realizam a mais vigorosa reflexão ficcional sobre os becos sem saída da história recente do Brasil. A elas se conectam a seu trabalho como curador de importantes museus do país e como autor
de ensaios sobre política cultural.

Local: Palacete Garibaldi

 

Sessão 9 ­– 17h30 ­– JOSÉ MIGUEL WISNIK – “Cancioneiro poético”

Em aula-show com interpretações de texto e música, o ensaísta e compositor José Miguel Wisnik explora as confluências ente poesia e canção que cunharam a sensibilidade brasileira. Professor de literatura na USP, autor de estudos sobre Machado de Assis e Guimarães Rosa, Wisnik publicou obras como O Coro dos Contrários – a Música em Torno da Semana de 22, O Nacional e o Popular na Cultura Brasileira, O Som e o Sentido, Sem receita e Veneno remédio.

Local: Palacete Garibaldi
Sessão 10 ­– 18h45 ­– ARNON GRUNBERG e TOMMY WIERINGA – “Café Amsterdã: a nova invasão holandesa”

O Litercultura coloca Curitiba no circuito da série de encontros com escritores holandeses Café Amsterdã. Grunberg vem lançar o romance Tirza, que contrasta de modo tragicômico a irrelevância da vida cotidiana no capitalismo avançado com a compulsão de buscar vivências “autênticas.” E Wieringa apresenta Joe Speedboot, relato sobre um paralítico nada convencional que, a partir de sua privação, cultiva uma relação inconformista e mordaz com a estagnação do mundo.

Local: Palacete Garibaldi

 

Sessão 11 ­– 20h30 ­– Show de Encerramento com JARDS MACALÉ

Realizado em Parceria com o Clube Curitibano, o Literculura encerra com um show intimista de Jards Macalé. Parceiro de Capinam,  Waly Salomão, Torquato Neto, Naná Vasconcelos,  Jorge Mautner, Moreira da Silva e Vinicius de Moraes, entre muitos outros apresenta seus clássicos permeados por histórias da cena musical brasileira, da qual é um dos protagonistas.

Local: Sede Concórdia do Clube Curitibano

Vilto Reis Autor

Autor do livro "Um gato chamado Borges", professor de escrita criativa e apresentador do Podcast de Literatura 30:MIN.