5 versões cinematográficas de ‘Frankenstein’

5 adaptações cinematográficas de Frankenstein, de Mary Shelley, responsáveis por transformar a história original

Frankenstein (também chamado de Moderno Prometeu) é uma obra-prima da literatura universal, que foi escrita por Mary Shelley. Quem ainda não leu essa obra literária, pelo menos já ouviu falar dela, seja por meio de histórias orais, adaptações cinematográficas ou teatrais. Trata-se de um romance de terror com inspirações do movimento romântico, considerado a primeira obra de ficção científica da história.

Mary Shelley escreveu seu romance entre os anos de 1816 e 1817 e este foi publicado em 1819.  E o mais curioso é: a autora escreveu esta obra-prima quando tinha somente 19 anos.  De modo bastante resumido (para não dar spoiler), podemos dizer que o romance conta a história de Victor Frankenstein, estudante de “ciências naturais”, mais conhecido como medicina hoje, que decide construir sua obra-prima em seu laboratório: um monstro.

VEJA TAMBÉM:
5 versões cinematográficas de ‘Frankenstein’
6 Assombrosas Ilustrações de Frankenstein
Frankenstein: uma energia que corre há duzentos anos

O romance obteve grande sucesso e é considerado como um clássico da literatura de horror, inclusive por autores como Stephen King.  Frankenstein deu um novo toque ao gênero de horror e influenciou inúmeros escritores e, ainda hoje, é uma grande referência.

Vale ressaltar que o romance é uma referência valiosa não só para escritores, mas também para cineastas, diretores. Existem mais de cinquenta adaptações do romance, sendo muitas delas responsáveis por transformar a história original. Dito isso, apresentaremos abaixo cinco versões de Frankenstein que foram parar nas telas dos cinemas, as quais diferem em certa medida do texto literário escrito Mary Shelley.

***

1. Frankenstein (1931), dirigido por James Whale

Este filme é um clássico do cinema e, embora seja uma adaptação bastante fiel ao livro de Shelley,  nele a subjetividade do monstro é deixada de fora. O monstro perde a sua voz enquanto narrador, isto é, ele não tem permissão para contar sua própria história, em 1ª pessoa –  a criatura tem essa liberdade, se assim podemos dizer, na obra literária.

2. A verdadeira história de Frankenstein (1973), dirigido por Jack Smight

Neste filme, uma nova história é criada, uma espécie de continuação “verdadeira” da história de Shelley. Frankenstein passa a criar um rapaz, que inclusive é bonito e possui uma aparência agradável. Com ao passar do tempo, o corpo dessa criatura começa a romper-se, fazendo com que ele se volte contra o seu próprio criador.

3. A prometida (1985), dirigido por Franc Roddam

Victor Frankenstein, o cientista, cria uma companheira para sua criatura.  Seu desejo é criar uma mulher bela e educá-la para ser a companheira perfeita para o seu monstro. No entanto, acaba se apaixonando por ela. Há uma outra versão mais clássica deste filme, chamada A noiva de Frankenstein, lançada em 1935 e dirigida por James Whale.

4. Frankenstein de Mary Shelley (1994), dirigido por Kenneth Branagh

Neste filme, depois do momento em que o monstro mata a noiva de Victor, o criador, este tenta remontá-la e reanimá-la, tomado pelo desespero. A cena bastante forte desta versão cinematográfica é quando Victor, após reanimar a futura esposa, dança com ela.

5. Victor Frankenstein (2015), dirigido por Paul McGuigan

Esta versão cinematográfica é a mais recente lançada até hoje. De modo geral, no filme, esta nova versão da história é apresentada a partir da perspectiva de Igor, um assistente do jovem estudante de medicina Victor Von Frankenstein que com ele divide experiências científicas e momentos obscuros.

Estela Santos
Colaboradora do Homo Literatus, professora, mestra em Letras - Estudos Literários e mediadora do #LeiaMulheres. Twitter: @psantosestela
Estela Santos
Colaboradora do Homo Literatus, professora, mestra em Letras - Estudos Literários e mediadora do #LeiaMulheres. Twitter: @psantosestela
- Advertisment -

Em Alta

- Advertisment -