7 Razões para ajudar “Um gato chamado Borges” no Catarse

0
176

Você ainda não contribuiu com o projeto d’Um gato chamado Borges no catarse? Não sabe por que ajudar? Aqui vão sete motivos 

O Vilto Reis, criador do Homo Literatus, junto com o Maik Bárbara, estão abrindo uma editora, a Editora Nocaute. O primeiro projeto de publicação será o romance do Vilto, Um gato chamado Borges (para saber mais, clique aqui), um romance ambientado no litoral catarinense no qual João Meireles arruma um emprego dos sonhos (ou quase) numa rádio. Porém, conforme ele vai vivendo, a cidade começa a mostrar muitos segredos, como os suicídios durante o inverno, entre outras coisas.

Ainda não ficou interessado? Bem, tenho sete motivos para fazer com que você também contribua com Um gato chamado Borges.

***

O livro foi finalista do Prêmio Sesc de Literatura em 2015

Muita gente acredita no potencial de Um gato chamado Borges, inclusive o Prêmio Sesc de Literatura. Em 2015, o romance do Vilto ficou entre os finalistas categoria romance (para conferir, clique aqui). Se você pensar que são quase dois mil originais enviados e apenas alguns poucos ficam entre os finalistas selecionados pelo júri de especialistas, isso mostra o potencial do romance e do projeto por si só.

 

Você vai ajudar um jovem autor brasileiro

Se você ainda não clicou no vídeo acima, pode fazê-lo agora. Caso tenha visto, ou pior, seja alguém tentando publicar um livro, sabe que o meio editorial brasileiro às vezes peca por não investir em projetos diferentes. Este é um caso. Você vai ajudar um autor jovem, com uma proposta nova. Um gato chamado Borges, do Vilto Reis, levou quinze nãos de editoras e mesmo assim está colocando a cara a tapa. Se você também escreve, deve entender o que esse projeto significa.

 

Um gato chamado Borges é um romance com uma proposta diferente e divertida

Vou usar as palavras do próprio Vilto sobre o romance para vocês terem uma boa ideia do quão diferente é o romance.

É a história de João Meireles, um cara que achou que ia realizar o sonho de fugir da cidade e de seu passado para viver na praia, mas em seu primeiro dia de trabalho como locutor de rádio teve de noticiar um suicídio. Pior do que isso, seu sonho de viver no litoral, trabalhar poucas horas por dia e ter uma vida tranquila é frustrado pela realidade, pois o inverno desperta um desejo de morte nos nativos da cidade praiana. Por quê? É o que ele se propõe a descobrir, além de travar relações conturbadas com uma praticante de budismo, um escultor de peças de arame, um pescador mais velho que o mar, entre outros personagens curiosos. E ainda há o tal gato chamado Borges, um suspeito insensato. Será um romance sobre suicídio? Ou, por trás disso, há uma trama inusitada? Afinal de contas, onde está o gato?

 

Você vai ajudar a construir uma nova editora com uma nova proposta

O projeto da Editora Nocaute, que vai lançar o romance, é tão importante quanto o livro em si. Voltando à questão dos novos autores, nem sempre é fácil encontrar alguém disposto a publicar novos autores nacionais. Os motivos são variados, você pode imaginar. No entanto, a ideia da Nocaute é preencher esse vácuo na literatura nacional: ser uma editora para publicar novos autores brasileiros. Além de ajudar o Vilto Reis, você estará abrindo espaço, quem sabe, para uma futura publicação sua, pois o projeto da Nocaute é dar vazão para aqueles que não têm espaço nos grande meios.

 

É um livro para vários públicos

Dois tópicos acima, você leu um resumo do próprio autor do livro. Um gato chamado Borges lida com vários níveis (você pode conferir ouvindo o podcast 30:MIN sobre o livro clicando aqui!). Se você gosta de uma boa história de suspense, este será o seu livro. Se você gosta de obras mais aprofundadas, cheia de simbolismos e aberta a várias interpretações, este será o seu livro. Ou seja: você, leitor mais exigente, vai gostar; você, leitor amante de uma boa história, vai gostar.

 

Você, além de contribuir, vai ganhar várias recompensas

Se ainda não clicou no link do Catarse lá no começo (clique aqui agora), você pode ver que, ao contribuir, ganhará várias recompensas legais pelo apoio. Desde o seu nome no livro enquanto apoiador até cursos de escrita, há um sem fim de possibilidades. Claro, há o livro, quem sabe autografado, sendo entregue na sua casa. Para mais detalhes de como esta parte funciona, clique no link do Catarse.

 

Enfim, é um romance legal

Eu poderia dizer muitas coisas, ser um pouco publicitário e prometer mundos e fundos. Mas não precisa. Um gato chamado Borges é uma boa história e um bom exemplo do que a literatura brasileira tem em potencial. Contribuir com este projeto é ajudar uma boa história a sair do Word e chegar ao papel. Para os amantes de literatura, é sempre uma boa pedida. O livro não precisa de nenhuma defesa, e sim de leitores interessados em se divertir e se intrigar com a trama.

E então, ainda não vai nos ajudar? Acesse: catarse.me/ajudeogato