Afinal, quem merece um Nobel?

Depois da polêmica entorno do Nobel de Literatura que Bob Dylan ganhou, elencamos 5 autores que, embora merecessem, morreram sem a premiação 

bobdylannobelliteratura

O título do artigo é controverso e pretensioso, contudo, depois das polêmicas que envolveram a entrega do Nobel de Literatura para Bob Dylan, fato que praticamente dividiu opiniões pelo mundo, sendo que de um lado estavam aqueles que aprovaram, e do outro, aqueles que acharam uma atitude exagerada por parte da Academia Sueca.

Sendo assim, enumeranos 5 dos milhares de autores que, embora merecessem, morreram sem a premiação. Confira!

 

1. Simone de Beauvoir

Em 1964, Jean Paul Sartre seria condecorado com um Nobel; entretanto, as posições políticas do autor o fizeram negar o prêmio, se consagrando até hoje como o único a rejeitar a homenagem. Entretanto, sua esposa e eterna companheira, Simone de Beauvoir, apesar de revolucionar o gênero e o comportamento de seu tempo, nem mesmo foi cogitada para a categoria. Simone morreu em 1986 com uma obra monumental e não menos importante.

 

2. George Orwell

Um dos escritores mais influentes e lidos do século XX passou despercebido da Academia Sueca, seus livros mais importantes venderam milhões de exemplares ao redor do mundo e provocaram graves reflexões sobre os caminhos que a humanidade havia tomado.  Em A Revolução dos Bichos e 1984, Orwell se superou ao denunciar os caminhos da ganância e do totalitarismo Ocidental.

 

3. Jorge Amado

Um dos brasileiros que mais se aproximou de ser laureado com um Nobel de Literatura foi Jorge Amado;  inédito ainda por aqui, nenhum autor passou tão perto de ser premiado. Para alguns, não houve escritor que tenha descrito tão bem o Brasil como ele; suas obras se tornaram referências e sucessos de venda, e mais tarde viraram novelas e minisséries na TV aberta, arrebatando ainda mais público.

 

4. Umberto Eco

O italiano Umberto Eco, apesar de ser um dos maiores intelectuais do século XX, também não foi condecorado, entretanto, sua obra é uma das mais inspiradas. Além de dar vida ao clássico O Nome da Rosa, escreveu outros diversos romances que marcaram a literatura mundial. Profícuo, Eco produziu uma vasta obra no campo acadêmico, além de artigos para a imprensa, como os que podem ser lidos no estupendo Diário Mínimo.

 

5. Primo Levi

Primo Levi vivenciou os horrores de Auschwitz; judeu italiano, narrou em uma de suas principais obras, É Isto um Homem?, aqueles dias de cão. Até hoje sua obra ressoa quando o tema é a 2ª Guerra Mundial; assim que escapou com vida do campo de concentração, se dedicou a escrever sobre o assunto. Por ironia do destino, nem mesmo a literatura  o libertaria: cometeu suicídio no ano de 1987. Assim como os demais autores citados, e muitos outros que impossivelmente não cabem neste ínfimo espaço, Levi deveria ter sido muito mais reconhecido do que é.

Ronaldo Lages Autor

Jornalista e publicitário, leitor dos clássicos da literatura e da filosofia, contestador e eternamente inconformado. Acredita que os livros não mudam o mundo, mas são o caminho para a mudança.