Coleção Filosofinhos: Filosofia para crianças pode ser a maior curtição

1
971

Voltada ao público infanto-juvenil, a coleção Filosofinhos é uma boa pedida para quem quer introduzir os mais jovens no mundo da Filosofia

Fazia tempo que eu namorava uma coleção de livros chamada Filosofinhos, mas, por um motivo ou outro, meu flerte ficava “empatado”. Dia desses, entrei numa livraria e me deparei com uma gôndola cheia de livros infantis; imediatamente perguntei pelos Filosofinhos. E, sim, eles tinham para pronta entrega! Claro, comprei. A coleção tem títulos sobre Kant, Rousseau, Platão, Sócrates, Descartes, Karl Marx, Sigmund Freud, Sartre e Simone. Por enquanto fiquei com três: Marx, Freud e Sartre. Mas é tão bom que, agora, quero ler os outros.

VEJA TAMBÉM:
10 Filósofos que escreveram literatura
Nietzsche para além do bem e do mal
Albert Camus e a esperança em tempos difíceis

Como o próprio título sugere, os livros são direcionados para o leitor infantil. É um ótimo presente para a criançada, e é um baita material para se trabalhar filosofia com crianças nas escolas. E, não há como negar, pode fazer a alegria de muitos adultos também. Basicamente, as histórias são as biografias, com pinceladas de ficção, destacando as principais características do pensamento de cada um dos filósofos. Em Sigmund Freud, escrita pelo Celso Gutfreind, há a história de Freud e seu cãozinho Ego. Eis alguns trechos:

“O Ego, seu cachorrinho, / correu pra pegar um osso/ do outro lado do caminho./O menino Sigmundo/ embrabeceu pra cachorro/ por ter ficado sozinho.” (páginas 6 e 8)

Ou:

“Que mania, Sigmundo,/ de ser culpado de tudo!/ Uma coisa é tua cabeça,/ Uma outra coisa é o mundo.” (Página 18)

Em Sartre e Simone, de Pascal Reullard, temos o encontro do menino Sartre com a menina Simone. Lemos:

“Jean- Paul gostava muito de pensar,/ e como seu amigo René, vivia a matutar.” (página 8)

Mais:

“A vida de Jean-Paul mudou completamente/ quando enfim encontrou Simone,/ sua namorada pra todo o sempre.” (página 16)

Ou:

“Uma vez, na hora do recreio,/ Simone disse sem receio:/ As meninas são fortes como os meninos!/ Nós podemos ser como eles,/ livres para decidir nossos destinos!” (página 20)

Sobre Karl Marx, de Maria Nazareth Agra Hassen, temos a história do pequeno menino que pensava muito sobre as desigualdades do mundo e que gostaria muito que elas não mais existissem. Assim está escrito:

“E assim o pequeno Marx/ decidiu-se a trabalhar/ Não um trabalho qualquer./ Seu trabalho era refletir/ sobre um mundo justo/ para homem, para mulher.” (páginas 16 e 18)

Mais:

“E que, se há/ um lugar/ a ser criado,/ nele não pode/ haver desigualdade:/ uns donos de tudo/ e outros só na saudade.” (página 22 e 24)

As três histórias têm uma linguagem bem acessível, aproximando-se do universo da criança; além disso, assemelham-se à estrutura de poemas, trabalhando com a rima, o que faz com que o público infantil assimile melhor as ideias dos textos. As ilustrações são belíssimas, e todas são assinadas por Francisco Juska Filho. Ao final de cada volume, há sugestões dos autores para a “gente grande” conhecer mais sobre os filósofos, dando dicas de livros e escritores. A coleção é bilíngue: português/francês. Cabe mencionar que todos os livros são feitos com papel reciclado, conscientizando o leitor sobre a importância de preservar o nosso planeta. Enfim, não há como negar: crianças e filósofos podem ter muitas coisas em comum, talvez a maior delas seja a capacidade de se encantar com o mundo e questioná-lo. Se depender da coleção Filosofinhos, esse encantamento está garantido.

***

REFERÊNCIAS:

Gutfreind, Celso. Sigmund Freud. 2 edição. Ilustrado por Francisco Juska Filho. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2009.

Hassen Maria de Nazareth Agra. Karl Marx. Ilustrado por Francisco Juska Filho. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2009.

Reuillard, Pascal. Sartre e Simone. 2 edição. Ilustrado por Francisco Juska Filho. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2013.