Como nasce um escritor?

1
307

Inúmeras vezes assistimos entrevistas com renomados escritores e uma das perguntas que nunca deixam de ser feitas é o que “levou aquela pessoa a ser escritor?”. Não há uma fórmula precisa, da mesma forma que há para nascerem pessoas. Não é o encontro de duas almas que se conhecem e decidem unir também seus corpos. Escritor também não brota do chão, não é nada fácil ser escritor. Muitos se enganam ao pensar ainda que escritor é aquele ser que fica sentado em berço esplêndido esperando cair do céu uma inspiração. Que vive apenas de sua escrita. E então, como nasce um escritor?

Seriam os cursos de formação de escritores o encontro do espermatozoide com o óvulo? Mas será que tem como formar um escritor ou a criatura já nasce com a caneta no coração e um bloquinho na cabeça? Difícil a resposta. A cada entrevista feita com escritores temos contato com respostas diferentes. Cada um tem a sua primeira vez. Cada qual tem o seu nascimento diferenciado. Porém, de uma maternidade não podemos fugir: os cursos de formação de escritores. Por quê? Tem como ensinar a ser escritor? Não. Mas há como lapidar a escrita do escritor em construção. Porque ser escritor é estar sempre em construção. Seus membros, corpo e órgãos nunca estão prontos. É errar várias vezes, seja pela forma de escrita, pela escolha do gênero, pelo jogo de palavras. Escrever é bordar uma colcha de retalhos de parágrafos, colorida por ideias e ideais.

Os cursos de formação não transformam o ser desavisado num escritor, da mesma forma como a escola ensina o indivíduo que não sabe ler e escrever a se tornar um cidadão alfabetizado, mas lapida a escrita do indivíduo que nasce com a necessidade especial de escrever no mundo e para o mundo em que está inserido.

Quem quer ser escritor não nasce pronto, mas nasce com um conjunto de palavras e pensamentos soltos em seu ser e que, com o aprendizado e as lapidações durante a vida, vai aprimorando sua escrita e se tornando o tão esperado escritor.

Por fim, sim, é muito importante a participação de cursos com o intuito de se reinventar, se melhorar e, inclusive, de se reconhecer entre os pares como um verdadeiro escritor. E é muito bom esse sentimento.