Conheça as rígidas ‘regras de vida’ de Tolstói para o amor e o trabalho

De acordo com o lendário escritor russo Liev Tolstói, você só deve ir ao bordel no máximo duas vezes por mês

Literalmente um romancista épico, Liev Tolstói era conhecido tanto por seus lendários e longos tomos (Anna Karenina, Guerra e Paz etc) quanto por seu rígido perfeccionismo. “Devo me acostumar com a ideia, de uma vez por todas, de que sou um humano excepcional”, ele escreveu em 1853, aos 25 anos, de acordo com o Open Culture. “Não encontrei ninguém moralmente tão bom quanto eu, ou disposto a sacrificar tudo por um ideal, como eu”. Sem brincadeira. Na juventude, Tolstói notavelmente mapeou como seria possível viver uma vida excepcional com suas “Regras de Vida”. Ele começou um “Jornal de atividades diárias” quando tinha 18, de acordo com o Tolstoy Therapy, e nele cronometrou quanto tempo se dedicou a certas tarefas e avaliou seu desempenho nelas. Em um esforço para melhorar sua vida em geral, ele começou compilando essas jóias:

Acorde às cinco da madrugada.

Não durma mais tarde do que dez da noite.

É permitido dormir duas horas por dia.

Coma moderadamente.

Evite comidas doces.

Ande por uma hora todo dia.

Visite bordéis apenas duas vezes por mês.

Desconsidere qualquer opinião pública não baseada na razão.

Ame aqueles a quem você pode ser útil.

Fala apenas uma coisa de cada vez.

Não faça voos imaginários a menos que seja necessário.

VEJA TAMBÉM:
Lista essencial de leitura para cada estágio da vida, segundo Tolstoi
O Eduardo Jorge diz que lê Tolstói e a Veja entende Toy Story
Os 10 maiores calhamaços da literatura mundial (ou onde os fracos não têm vez)

A lista dele cresceu gradualmente, e depois passou a incluir:

Nunca demonstre emoções.

Pare de se importar com as opiniões que as pessoas tem de si.

Faça coisas boas que possam ser vista facilmente.

Fique longe de mulheres.

Suprima a luxúria trabalhando duro.

Ajude os menos afortunados.

Que cara. Quer ser uma lenda? Anote tudo isso. Escrevendo, ele era tão rígido no desenvolvimento de sua força quanto um perspicaz auto-editor. Veja essas, da Open Culture (em inglês):

Quando você criticar seu trabalho, sempre se ponha na posição do leitor mais limitado, que procura apenas entretenimento em um livro.

O livro mais interessante é aquele em que o autor finge esconder sua opinião e ainda se mantém fiel a ela.

Quando ler e revisar, não pense no que deve ser adicionado (não importa quanto admiráveis sejam as ideias vindas a mente)… mas em quanto pode ser retirado sem distorcer o significado geral.

Tolstói era um homem de muitas regras. Ele também tinha, de acordo com Salon, cadernos para: “Regras para desenvolver desejo”, “regras em geral”, “regras para tocar música”, e “regras para jogar cartas em Moscou até primeiro de janeiro”. Regras são importantes ao que parece. Adote algumas.

Adaptado do Esquire.

Walter Bachhttp://homoliteratus.com/author/walter/
Colaborador desde 2014 do Homo Literatus, incluindo tradução, revisão e redação; coeditor de junho de 2015 a agosto de 2018 Colaborei no portal A Escotilha, de Curitiba/PR, de 2015 a 2016.
Walter Bachhttp://homoliteratus.com/author/walter/
Colaborador desde 2014 do Homo Literatus, incluindo tradução, revisão e redação; coeditor de junho de 2015 a agosto de 2018 Colaborei no portal A Escotilha, de Curitiba/PR, de 2015 a 2016.
- Advertisment -

Em Alta

- Advertisment -