Considerações sobre “O Fisco”, conto de Monteiro Lobato

0
1900

O conto O Fisco, de Monteiro Lobato, lançado no livro Negrinha em 1920, ainda retrata uma realidade brasileira bastante atual

lobato
Monteiro Lobato (1882 – 1948)

O conto O fisco, escrito por Monteiro Lobato, foi publicado no livro Negrinha, obra pré-modernista da literatura brasileira, lançada em 1920. Este conto e todos os outros do livro problematizam questões sociais, expressas pela singular linguagem lobatiana, muitas vezes de forma polêmica.

O livro Negrinha, que toma o título do conto inicial, como diz o crítico literário Alfredo Bosi, “[…]  é um livro heterogêneo onde reponta com maior insistência o documento social acompanhado do costumeiro sentimento polêmico e da costumeira vontade de doutrinar e reformar”. (BOSI, 1969, p. 69). 

Lobato tinha um desejo muito grande de reformar a modo de pensar dos brasileiros por meio de sua literatura, o que não é nenhum segredo. Ele desejava mostrar, em suas obras, um Brasil mais próximo da realidade, desnudando acontecimentos sociais que muitos não tinham conhecimento ou se negavam a enxergar.

Mas vamos ao conto O Fisco (contém spoiler!): este conto de Lobato narra a história de um menino pobre que ouve uma conversa dos pais sobre a falta de dinheiro e sobre o fato de que logo o filho poderia, assim que crescesse mais um pouco, trabalhar e ajudar em casa financeiramente. Isto motiva o garoto a trabalhar e se tornar engraxate no dia seguinte, faz com que ele sonhe com um futuro melhor. No entanto, logo depois de se dirigir a uma praça do Brás (São Paulo) para começar a engraxar, é abordado por um fiscal da Câmara que exige dele uma licença municipal para efetuar o trabalho. O menino, que nem sabia que era necessário ter licença e nem mesmo tinha dinheiro para providenciá-la, é levado até sua casa pelo funcionário. Sua mãe acaba tendo de gastar as últimas economias da família. E o menino, que apenas tinha boas intenções e sonhava em ajudar a família, acaba levando uma surra do pai como castigo. Enquanto isso, o fiscal bebe cervejas no bar com o dinheiro que conseguiu arrecadar.

Não só a isso se resume o conto. Indo mais profundamente nas linhas e entrelinhas deste texto literário temos aquilo que é extremamente característico nos contos de Monteiro Lobato, além da linguagem repleta de neologismo: a crítica social e a tentativa de evidenciar a realidade social, histórica e política brasileira.

O conto desvela uma realidade brasileira no que diz respeito à pobreza. No início do conto, temos a família contando moedas para conseguir comprar o básico para se viver dignamente. A mulher tem de lavar roupa dos outros para conseguir dar uma ajuda no rendimento financeiro da família. Trata-se de uma família que apenas trabalha para conseguir sobreviver, trabalha para pagar as contas da casa e para comprar algum alimento.

negrinhaHá, também, uma crítica à corrupção que é feita, sobretudo, por funcionários públicos que costumam extorquir dinheiro daqueles que trabalham dignamente e gastá-lo de forma banal. Além disso, o texto expõe o crescimento do Brás, bem como o cotidiano de seus moradores e trabalhadores, além de mencionar a questão dos abortos feitos pelas mulheres, as quais “desovam quase um filho e meio por ano, sem interrupção” (LOBATO, 2008, p. 67).

É interessante pensarmos como O Fisco, publicado no livro Negrinha em 1920, é um conto com temáticas extremamente atuais; um conto que problematiza e evidencia questões que ainda estão presentes na sociedade brasileira neste ano de 2015. Passaram-se tantos anos e ainda temos no Brasil tantas pessoas em situações precárias, tentando garantir o básico para sobreviverem de maneira minimante digna, e tantas pessoas sendo corruptas, das mais diversas maneiras e pelos mais diversos motivos, para conseguirem se dar bem na vida passando por cima do outro, sem menor culpa ou angústia.

 

Referências:

BOSI, Alfredo. A literatura brasileira: o pré-modernismo. São Paulo: Cultrix, 1969.

LOBATO, Monteiro. Negrinha. São Paulo: Globo, 2008.