Em favor da crônica futebolística

1
911

cronicas-esportivas

Quando se assiste a um jogo de futebol, as emissoras televisivas conseguem mostrar um lance em seus mínimos detalhes. O momento do passe, do chute, o salto do goleiro, o carrinho do zagueiro, a bola a estufar as redes. Para os fanáticos pela pelota, a câmera em slow motion é algo para se apreciar tal fosse uma pintura. A tecnologia é, às vezes, uma benção. Mas dificilmente essas imagens em câmera lenta conseguirão superar a crônica esportiva na descrição dos movimentos que antecedem uma jogada de efeito, um chapéu, um drible por entre as pernas, a pedalada, a cavadinha que desmonta um goleiro.

Para os boleiros literários, as páginas de esporte são um prato cheio aos domingos e segundas-feiras, com análises, pranchetas, críticas e palpites. Juca Kfouri e seus textos políticos, Paulo Vinícius Coelho e seus esquemas táticos, Tostão e sua obsessão pelo futebol arte. Já ouvi alguns dizerem que a crônica seria um gênero literário menor. Discordo. É graças a ela que muitos contos (esse considerado pelos preconceituosos um gênero maior) futebolísticos foram concebidos.

feliz-ano-novo“Abril, no Rio, em 1970”, do volume de contos Feliz ano novo, de Rubem Fonseca, relata, com linguagem puramente jornalística, a melancólica história de um jovem que tenta chamar a atenção de um olheiro do Madureira num jogo teste. Mas o futebol é ingrato para aqueles que o amam e querem viver dele:

Eles ganharam o cara ou coroa, escolheram o campo. Pirulito deu a saída, atrasando para mim, enfiei de curva para o Gabiru na ponta, mas a bola foi no pé do adversário. Corri pra ver se recuperava a jogada. Enquanto eles triangulavam em cima de mim eu pensava, porra, comecei enfeitando, agora estou igual a bobo na roda, nem sei o que estou fazendo.

paginas-sem-gloriaPáginas sem glória carrega dois contos e uma novela homônima, que conta a história de Zé Augusto, o Conde, jogador malandro, adepto à boemia e às libações, jogador do Fluminense e do Bonsucesso nos anos 1950 e 1960. Misturando ficção com realidade, Sant’Anna conta a curta, porém, notável trajetória deste jogador que, ao contrário do protagonista de Rubem Fonseca, gostava mais de apostar no turfe do que de seu próprio ofício. Filho de influente deputado, Zé Augusto sabia os caminhos para se chegar ao gol. Categoria e elegância eram suas marcas dentro e fora do campo. Se este tipo de comportamento é execrado pela imprensa nos dias de hoje, que dirá na daquele tempo. Com sua apurada câmera narrativa, Sérgio Sant’Anna descreve, baseado em crônicas jornalísticas da época, as geniais jogadas do Conde, que sabia como ninguém deixar zagueiros a chutarem o vento e goleiros ridiculamente estatelados no chão:

Não que Zé Augusto quisesse desrespeitar o Castilho, mas respeito demais também não tinha, pois não acompanhava o futebol profissional de perto. As pernas abertas do outro estavam pedindo e o Zé enfiou a bola entre elas, porque era o caminho mais fácil para o gol.

Com detalhado slow motion lírico, Rubem Fonseca e Sérgio Sant’Anna fizeram belas jogadas individuais, pois foram bem servidos por pontas de lança como Juca, PVC e Tostão, que, se não dão show, garantem o bom resultado das narrativas jornalísticas todas as semanas, dando chapéu naqueles que ainda não acreditam no valor literário da crônica esportiva.