Estudo diz que ler ficção literária melhora a empatia

1
1701

Nova pesquisa mostra que obras de escritores como Charles Dickens e Téa Obreht aguçam nossa capacidade de compreender as emoções dos outros. 

classicos-da-literatura

 

Antes de ler a notícia que saiu aqui, é necessário levantar alguns pontos. Primeiro, os pesquisadores envolvidos tentam diferenciar obras literárias de livros de entretenimento. Falando mais diretamente, eles tentam separar a “boa literatura” da “literatura por prazer”. No entanto, a discussão em voga e (a própria pesquisa em si) sabe o quão difícil é diferenciar uma da outra.

A diferenciação, encontrada pelos pesquisadores, é que a primeira traz nas entrelinhas elementos que fazem com que o leitor se torne o próprio escritor, definindo ele mesmo os rumos ou as interpretações que a obra lhe traz. Já a segunda é apenas um meio usado para passar o tempo, sendo que é o próprio autor quem conduz o leitor, não exigindo nada demais dele.

Diante da complexidade do tema, vale fazer uma ressalva: a ideia aqui não é ‘julgar’, nem condenar os que leem obras de entretenimento, muito menos exaltar ou supervalorizar os que leem obras ditas literárias. No entanto, deixando a opinião pessoal falar um pouco mais alto, o resultado da pesquisa aponta os aspectos positivos que um bom livro consegue provocar no leitor. Por isso, mais que afastar as pessoas desse tipo de literatura, o objetivo aqui é aproximar o leitor de entretenimento, fazendo com que ele descubra novos caminhos, as maravilhas que clássicos, por exemplo, conseguem nos proporcionar. O caminho inverso também pode ser feito, afinal, quer coisa melhor que ler um livro que apenas nos faz passar o tempo, amando ou odiando personagens?

Por fim, é bastante útil que o leitor (deste texto) entenda o que é empatia. Há poucos dias, um vídeo se espalhou pelas redes sociais e, considerando o conteúdo super válido, compartilho o conteúdo aqui, para que seja possível entender do que se trata a tal empatia, melhorada pelos livros de ficção.

O vídeo aqui:


A notícia, aqui:

Quem nunca foi arrebatado pela leitura de um bom livro? Se você já se sentiu, depois de fechar a última página, uma pessoa melhor, capaz de compreender as pessoas e o mundo ao seu redor, saiba que a Ciência concorda com você, desde que o livro em questão seja de ficção literária mais exigente, já que best seller ou livros de entretenimento não possuem o mesmo efeito.

Os psicólogos David Comer Kidd e Emanuele Castano , da New School for Social Research , em Nova York, revelaram que a leitura ficção literária aumenta a capacidade de detectar e entender as emoções de outras pessoas, uma habilidade crucial na interação com relações sociais complexas.

Em um estudo com cinco experimentos , 1.000 participantes foram aleatoriamente designados a ler diferentes textos para ler, tanto os de ficção popular , como o best-seller Danielle Steel, Os Pecados da Mãe e Gone Girl, de Gillian Flynn, ou textos mais literários, como a A noiva do tigre, de Téa Obreht , The Runner, de Don DeLillo ou os trabalhos de Anton Chekhov.

Para dar continuidade ao estudo, a dupla aplicou uma variedade de técnicas de Teoria da Mente para medir a precisão com que os participantes conseguiram identificar as emoções nos outros. Os resultados foram sempre superiores e positivos para aqueles que leram ficção literária, enquanto os que leram best sellers e ficção menos exigente não alcançaram resultados satisfatórios.

“O que grandes escritores fazem é transformar o leitor em escritor. Na ficção literária , a incompletude dos personagens transforma sua mente para tentar entender a mente dos outros “, disse Kidd .

Kidd e Castano , que publicaram seu artigo na revista Science, fizeram uma distinção semelhante entre a escrita “escrevível” (tradução para”writerly”) e “legível” (para melhor definir “readerly”, mesmo que legível em inglês seja readable) e a definição criada por Roland Barthes em seu livro sobre teoria literária , O prazer do texto . Ciente das dificuldades de determinar o que é ficção literária e o que não é , alguns dos exemplares literários usados na pesquisa foram escolhidos a partir do PEN / O Henry prêmio antologia 2.012 vencedores ” e os prêmios nacionais livro finalistas dos EUA.

“Algumas obras literárias são o que que chamamos de “writerly”‘. Neste caso, o texto que faz com que o leitor  preencha lacunas e participe, de fato, da leitura, lendo nas entrelinhas. O que chamamos de  “readerly” pode ser definido como leitura de entretenimento ou apenas decodificação de palavras. Nós tendemos a ver “readerly”‘ mais como um gênero ficção de aventura, romance e suspense, onde o autor determina sua experiência como leitor. Já a a ficção de fato literária (“writerly”) permite que você entre em um novo ambiente e você tem que encontrar o seu próprio caminho”, disse Kidd .

Transferir a experiência de leitura de ficção literária em situações do mundo real é um salto natural, segundo Kidd, porque ” os mesmos processos psicológicos são utilizados para entender a ficção e os relacionamentos reais. Ficção literária não é apenas um simulador de uma experiência social , é uma experiência social . ”

“Em Grandes Esperanças , Pip está envergonhado por Joe, porque ele é bruto e sem jeito, enquanto Pip está subindo cada vez mais socialmente falando. Ao ler e se encontrar com estes personagens, você se pergunta: como é ser Pip e como é ser Joe? Eu iria me comportar melhor do que Pip nesta situação? São os espaços que surgem entre os dois personagens, que ocorre a empatia. “

Os cinco experimentos usaram uma combinação de quatro testes diferentes Teoria da Mente: ler a mente nos olhos, análise de diagnóstico do teste de precisão não- verbal, escala de efeitos positivos e negativos e o teste de Yoni .

No entanto, mesmo que Castano e Kidd provem que a ficção literária melhora empatia social, pelo menos em algumas medidas, eles não foram totalmente eficientes ao usarem os resultados para determinar se uma obra de ficção é digna de ser chamado literária.

“Essas são preocupações estéticas e estilísticas que, como psicólogos, não podemos e não queremos fazer julgamentos sobre”, disse Kidd . “Nem nós argumentamos que as pessoas só devem ler ficção literária , apenas concluímos que somente a ficção dita literária parece melhorar a empatia, a curto prazo. Há benefícios prováveis ​​de ler ficção popular – certamente entretenimento. Nós apenas não medimos quais são.