James Joyce e seus problemas de visão

0
825
tumblr_moibe9JQ1u1qbkrzko1_1280
O célebre escritor James Joyce (foto acima) usando um tampão em um de seus olhos convalescidos.

James Joyce, um dos maiores nomes da literatura moderna do século XX, autor de clássicos como Retrato do Artista quando jovem, Ulysses e Finnegans Wake, teve uma época terrível com os olhos. Quando tinha seis anos de idade, recebeu seu primeiro conjunto de óculos, e aos 25 anos, o jovem escritor foi diagnosticado com o seu primeiro caso de irite, uma inflamação muito dolorosa e potencialmente ofuscante da parte colorida do olho, a íris. Pouco tempo depois, ele nomeou sua filha recém-nascida de “Lucia”, nome de uma santa padroeira das pessoas com problemas oculares.

Ao longo de sua vida, Joyce teve de suportar uma série horrível de operações e tratamentos para um ou outro de seus olhos, incluindo a remoção de parte da íris, uma reformulação de sua pupila, a aplicação de sanguessugas diretamente no olho para remover o líquido, até mesmo a remoção de todos os dentes, na teoria de que sua irite recorrente estava relacionada com a infecção bacteriana nos dentes, causada por anos de pobreza e negligência dental.

Depois de sua sétima operação no olho em 5 de dezembro de 1925, de acordo com Gordon Bowker em James Joyce: Uma Nova Biografia , o escritor era “incapaz de ver as luzes, com dor contínua da operação, chorando oceanos de lágrimas, muito nervoso, e incapaz de pensar em linha reta. Joyce agora era dependente de pessoas amáveis ​​para vê-lo do outro lado da estrada e chamar os táxis para ele. Durante todo o dia, o escritor ficava deitado no sofá em um estado de completa depressão, querendo trabalhar, mas incapaz de fazê-lo.”

No início de 1926, a visão de Joyce foi melhorando um pouco de um dos olhos. Foi nessa época (em janeiro de 1926, de acordo com uma fonte) que o escritor irlandês fez uma visita ao seu amigo Myron C. Nutting, um pintor americano que tinha um estúdio na seção de Montparnasse, em Paris. Para demonstrar que a sua visão tinha melhorado, Joyce pegou um lápis preto grosso e fez alguns rabiscos em uma folha de papel, traçando uma caricatura de um homem malicioso de bigode grande em um chapéu-coco, que fazia alusão a Leopold Bloom, o protagonista de Ulysses. Ao lado de Bloom, Joyce escreveu em grego “com um pequeno erro na grafia e acentos, ambos os quais distorcidos”, segundo RJ Schork em Greek and Hellenic Culture in Joyce, a passagem da Odisseia de Homero: “Diga-me, musa, sobre o homem de muitas voltas, que vagava por toda parte.”

Bloom
Esboço feito por James Joyce de seu mais emblemático personagem Leopold Bloom juntamente de uma frase do épico Odisseia, de Homero.

 

*Texto traduzido e adaptado do site OpenCulture.com