Linha do tempo: Vida e morte de Edgar Allan Poe

0
963

Sete de outubro: aniversário de morte do escritor Edgar Allan Poe. Nós preparamos uma linha do tempo cheia de curiosidades a respeito do autor, que provam que sua vida foi tão trágica quanto suas histórias. Você sabia que Poe serviu o exército? Que morou por muito tempo em Nova York? Que sua esposa era sua prima e tinha apenas treze anos? Descubra estas e outras histórias lendo esta matéria especial dedicada ao grande Edgar Allan Poe.

poe

1809: Boston. Nasce em 19 de Janeiro, o mestre Edgar Poe.

1811: Richmond, Virginia. A mãe de Poe morre em dezembro, deixando três filhos pequenos aos cuidados de amigos. Edgar Poe é levado para a casa de John Allan, um comerciante de Richmond.

1815-1820: Londres. Enquanto John Allan cuida de seus interesses comerciais, Poe frequenta academias clássicas na Inglaterra.

1820-1825: Richmond. Os Allans retornam aos Estados Unidos em 1820. Poe é matriculado em duas academias em Richmond, onde se destaca em línguas e esportes. Compõe diversas sátiras em verso, todas perdidas atualmente, à exceção de O, Tempora! O, Mores! (Que tempos! Que costumes!)

1826: Charlottesville. Poe ingressa na Universidade de Virgínia e se destaca em línguas Românicas antigas e modernas (neolatinas). Perde dois mil dólares em jogos e Allan se recusa a pagar a dívida, retirando Poe da Universidade.

1827-1828: Boston e Charleston. Entra no exército dos Estados Unidos sob o pseudônimo “Edgar A. Perry”, sendo designado para Fort Independence no porto de Boston. Nesse verão, vê impresso seu primeiro livro – um pequeno volume com menos de 12 peças poéticas. A obra trazia títulos como Dreams (Sonhos); Visit of the Dead (A visita dos mortos); Evening Star (Estrela vespertina) e Imitation (Imitação), revisado como A Dream Within a Dream (Um sonho dentro de um sonho). Em novembro de 1827, a unidade de Poe é transferida para o sul dos Estados Unidos.

1829: Richmond, Filadélfia e Baltimore. Após a morte da senhora Allan em abril, Poe dá baixa do exército e encontra um editor para uma edição aumentada de seus poemas em Baltimore, onde vive por algum tempo com parentes.

1830: West Point. Ingressa na Academia Militar de West Point e novamente se destaca em línguas. Torna-se conhecido entre os cadetes pelos seus versos cômicos a respeito dos oficiais. Enquanto isso, John Allan se casa novamente e descobre uma carta – datada de três de maio de 1830, onde Poe comenta que “O Sr. A. não se encontra muito frequentemente sóbrio”. Isso serve de motivo para que Allan corte relações com Poe.

1831-1832: Nova York e Baltimore. Não recebendo mais a mesada de John Allan, Poe desobedece a ordens e deste modo obtém baixa do exército. Poems: Second Edition é publicado em Nova York na primavera. Passa a viver com sua tia Maria Clemm e sua prima Virgínia em Baltimore. Em 1832, O Courier publica cinco de seus contos satíricos entre janeiro e dezembro.

1833-1834: Baltimore. No verão de 1833, Poe apresenta outro conjunto de contos em um concurso patrocinado pelo Baltimore Saturday Visiter – estes são a primeira série de uma coleção de paródias que nunca chegou a ser publicada. Poe pretendia intitulá-la The Tales of the Folio Club, que nesta ocasião incluíam, além das cinco histórias publicadas no Courier, mais sete contos – entre eles MS. Found in a Bottle (Manuscrito encontrado em uma garrafa), que rendeu a Poe um prêmio de cinquenta dólares. Além disso, vende The Visionary (O visionário), para a revista Godey’s Lady’s Book, onde aparece em janeiro de 1834, sendo a primeira publicação de Poe em ampla circulação. Em março de 1834, morre John Allan, omitindo qualquer menção a Poe em seu testamento.

1835: Richmond. Passa a colaborar no jornal Messenger em março. Envia grande número de trabalhos para suas páginas, entre eles os contos Morella e Berenice. Além disso, escreve uma coluna sobre eventos literários e faz mais de trinta revisões de livros, o que fez a circulação do jornal subir dramaticamente. Enquanto isso, em Baltimore, Maria Clemm sugere que Virgínia passe a morar com um de seus primos e Poe escreve para pedi-la em casamento. Em setembro, ele retorna a Baltimore, ocasião em que pode ter casado com Virgínia em segredo. Em outubro, Poe traz Maria Clemm e Virgínia para Richmond e em dezembro, vira editor do Messenger.

1836: Richmond. Em maio, Poe casa-se publicamente com Virgínia Clemm, que ainda não completou quatorze anos.

1837-1838: Nova York e Filadélfia. Pede demissão do Messenger e leva sua família para Nova York. Passa os dois anos seguintes como colaborador independente em Nova York e Filadélfia, antes de conseguir outro cargo de editor. Publica poemas e contos, entre eles o gótico Ligeia. Em julho de 1838, sua única novela, O relato de Arthur Gordon Pym, que havia sido publicada em forma de seriado no Messenger, agora é publicada em Nova York, sob formato de livro.

1839: Filadélfia. Torna-se editor associado da revista Burton’s Gentleman’s Magazine, contribuindo com um artigo por mês, além das revisões de livros. Entre suas primeiras contribuições estão os contos góticos The Fall of the House of Usher (A queda da casa de Usher) e William Wilson.

1840-1841: Filadélfia. É demitido da revista Burton’s Gentleman’s Magazine. Tenta fundar sua própria revista literária denominada Prospectus for the Penn Magazine, mas não obtém apoio financeiro. Após isso, torna-se editor associado da revista Graham’s e contribui com a história The Murders in the Rue Morgue (Os assassinatos da Rua Morgue).

1842: Filadélfia. Em janeiro, Virgínia sofre uma hemorragia, primeiro sinal sério de uma doença que levará sua vida cinco anos depois. Demite-se da revista Graham’s após uma disputa sobre privilégios editoriais. No outono, publica The Pit and the Pendulum (O poço e o pêndulo) e The Mystery of Marie Roget (O Mistério de Marie Rogêt).

1843: Filadélfia. Passa a colaborar para a revista The Pioneer, publicando em suas páginas Lenor e The Tell-Tale Heart (O coração denunciador). Poe novamente tenta estabelecer uma revista independente, que desta vez deveria se chamar The Stylus, mas falha de novo. Em junho, The Gold Bug (O escaravelho de ouro) ganha um prêmio de cem dólares e é amplamente reimpresso.

1844: Filadélfia e Nova York. Consegue um emprego como redator no New York Evening Mirror e transfere sua família para Nova York, notabilizando sua chegada com uma fraude jornalística que alcança pleno sucesso, sobre uma pretensa viagem de balão através do atlântico. Continua a publicar suas histórias em grandes variedades de revistas e jornais.

1845: Nova York. Em janeiro, aparece The Raven (O corvo) no Evening Mirror. Passa a colaborar com a Broadway Journal e reimprime nela muitos de seus poemas e contos. Após o desentendimento dos editores da Broadway, Poe assume a revista, pedindo grandes somas emprestadas a seus amigos, de modo que por um breve período, se torna proprietário e editor de sua própria revista. No final deste ano, o livro The Raven and Other Poems (O corvo e outros poemas) é publicado.

1846: Nova York. Durante o inverno, uma doença força Poe a interromper a publicação da Broadway Journal, que havia sofrido prejuízos no ano de 1845. Conclui o ano com The Cask of Amontillado (O Barril de Amontillado).

1847: Nova York. Em janeiro, morre Virgínia, o que introduz o ano menos produtivo de Poe, durante o qual ele sofre de profunda depressão e busca socorro na embriaguez. Publica dois poemas: um deles M. L. S., dedicado a Marie Louise Shew, a mulher que cuidou de Virgínia nos últimos estágios de sua doença; e o outro, Ulalume publicado em dezembro.

1848: Nova York. Tenta uma série de ligações amorosas: com Marie Louise Shew no princípio do ano; com Annie Richmond, na metade; e com Sarah Helen Whitman, no final do ano. Helen noiva com Poe durante um breve período, mas logo rompe o noivado. No outono, em profunda depressão, publica To Helen (dedicado a Helen Whitman).

1849: Nova York, Richmond e Baltimore. Vai a Baltimore no final de setembro, onde parece ter se entregado a uma bebedeira contínua. Foi encontrado em frente ao local em que funcionava uma seção eleitoral, no dia três de outubro. Morre na manhã de domingo, dia sete de outubro, de congestão cerebral – uma lesão do cérebro, talvez complicada por uma inflamação intestinal, um coração enfraquecido e diabetes. Sua morte é seguida pela publicação de dois de seus mais belos poemas, ambos tratando do triunfo final da morte: Annabel Lee, no dia nove de outubro, e The Bells (Os sinos), no princípio de novembro.

165 anos já se passaram desde sua morte, mas uma coisa é certa: seu legado é indiscutível e suas histórias, eternas.