O Ethos, a Vida, o Tempo e o Amor na poesia de Maria Vilani

maria-vilani

Tenho em mãos uma pequena peça constituída de muitas outras pequenas e grandiosas peças. Estendidas sob a perpendicular e aguçada curiosidade dos meus olhos, essas folhas caídas da beleza de algum outono, vieram pousar na minha alma e causar riso no meu coração.

Assim foi a impressão primeira que tive dos versos que li dessa poeta de grandeza maior, Maria Vilani. Pensei: demais!

Mas demais mesmo. Tanto que devorei o livro em duas horas, a fio, ininterruptamente, com algumas leves pausas para anotações. Queria fazer uma resenha. Comecei a escolher poemas, mas eram tantos. Tantos quanto é tanta a ternura de Maria, como é tanta a gana de Vilani. Aí veio Milton Nascimento e disse de Maria: “mas é preciso ter força, é preciso ter raça”, “Maria Maria mistura a dor e a alegria”. E a resenha foi deixada de lado. Não sei mais o que quero escrever. Vou deixar as minhas percepções dizerem enquanto meus dedos digitam o que abaixo vier. A poesia de Maria Vilani é um “Varal” teso que pesca no horizonte da vida os versos que o dia comum pode oferecer, entre batalhas, entre amores vivenciados, entre o sentimento maior de ser mulher, de ser filha, de ser mãe e esposa.

A urgência pela vida é uma temática recorrente. Poemas como Brevidade da vida e Trânsito da vida trazem um alerta: em meio a buzinas e a pressa, devemos tomar consciência de que a vida é perecível. É a necessidade de desmaterialização das coisas, pelo simples fato de serem coisas, para se presentificar no instante, como algo palpável. Em Varal, que é título do livro, o eu-lírico assim diz: “As roupas velhas, relíquias de um passado, que não volta mais, arranquei-as uma a uma, e as atirei no lixo do presente” como quem implora: deixemos tudo de lado, vivamos, simplesmente.

Dessa maneira, a vida sendo o viés que dará o tom na poética de Maria Vilani, a rebeldia da menina terna vem à tona em Nações Unidas que é um ode ao homem que trabalha, que é embrutecido pela máquina e se torna, num mimetismo quase perfeito, a própria máquina. Estamos todos unidos na privação da vida em prol do trabalho. Homem que enferruja a própria sorte, dia após dia, para viver.  Assim, mata a alma pela morte do corpo.

Resiliente diante das circunstâncias, obra e poeta se confundem, como podemos ver em Carta para o além, que é um poema biográfico e fala da imagem e importância da construção familiar para se construir um caráter, se construir uma pessoa.  Não quero falar da perda, pois essa recorrência aqui é inútil, uma vez que a menina sempre confiou seu destino pelos ensinamentos sempre presentes que tivera do pai. A emoção que a leitura do poema passa é uma catarse. Não cabe explicação, apenas sentir.

Desse modo, diante da transitoriedade da vida obsoleta – a poesia cria raízes no asfalto e traça a caminhada imperceptível do ser diante da voracidade da cidade urbana. Nesse palco, tendo como cortina a janela da vida, eis que o cotidiano devora a carne do homem e da mulher pela fome de construir consumo. No fim, acaba por construir a peleja, que constrói a morte do corpo, que mutila o coração de sentimento e decepa a alma de amor.

Se a poesia de Maria Vilani é forte, ao mesmo tempo é delicada como o delgado sopro do vento numa tarde de primavera. Em Agenda, a construção poética é de um lirismo autônomo, em que falam os versos: “sou tão tua, quanto minha, nunca fui suficientemente minha, porque nunca fui totalmente tua”. Mas não nos deixemos enganar pela delicadeza. Esse poema é de um embate único com a própria razão de ser ou não ser poeta. O eu poético se digladiando com o eu comum.  Nessa luta, talvez, a poeta se revela pela face de uma mulher, ávida pela busca de um amor. Revela-se na incondicionalidade das coisas, na saudade selvagem da infância, no elo sedimentado no corpo e na alma aprendida com o que é simples e essencial.

É nessa busca incansável para alcançar o semideus na semiótica de ser poeta e ao mesmo tempo ser perecível ao tempo, que vejo uma mulher que pedala numa rua vazia e busca no espectro das coisas o significado de viver, de amar, de morrer, mas sem se relegar à condição de deusa, que cria o amor, que infringe a dor, que se renasce como fênix no inexorável sentido de viver.

Em sua poesia, o tempo é o inquisidor da vida. Podemos sentir o palpitar a cada segundo e a ideia de finitude.  Mas num Sonho vaporoso a indagação pelo prelúdio do dia busca um instante pela vanguarda de ser humana, de transitar e impelir em si mesma a chaga contínua de ser poeta, de viajar pelo espaço sideral e encontrar o nada e no nada se fazer carne e aço.

Então “Ser poeta é voar ao infinito com os pés sujos de barro”. Essa definição desmistifica o poeta e o torna lápide subjugando sua existência que se desmancha como folha de papel em branco na transparência quase assassina da água. Ser poeta é poder dar a chance de morrer e nascer todos os dias com o sofrimento. “Negam-nos o direito sublime de sofrer”, no poema Alienam-nos, pois sofrer é beber um cálice amargo de morte e o tornar em vida. Tolher o sofrimento é ruminar uma existência fabricada por máquinas, que nada sofrem, apenas se corroem na tentativa cruel de ser aço.

varal-maria-vilaniEntão somos humanos, e existe o amor, e existimos pelo sexo como em “cogumelo gigante”. E somos finitos, mas somos jovens. “Se você é jovem, não se esqueça que a juventude é transitória, não construa castelos na areia, construa um mundo onde você possa habitar, se você é jovem, cuide para nunca envelhecer”.

Assim, nesse conflito constante entre a brevidade do tempo e a constância da vida, entre a delicadeza da pétala e a acidez do espinho, entre a dor da saudade e a comiseração de viver para alcançar o amanhã, entre a inocência da menina de oito anos e a juventude na sabedoria da mulher de sessenta, é que encontramos encanto pelas bordas e ternura comprimida e pendurada na graça de um livro distribuindo poesia pelos olhos de quem lê nesse pequeno relicário, chamado Varal de Maria Vilani.

Varal
Maria Vilani
Editora da Gente

Márcio Ahimsahttp://www.tecerpalavras.blogspot.com
É poeta, autor do livro “Lobisomem pós moderno”, em co autoria com o também poeta, Adenildo Lima, lançado em julho de 2012 pela Editora da Gente. Tem o poema “Batalha” publicado em antologia selecionada em concurso promovido pela secretaria de cultura de Guarulhos, em 2007. Pela Festa Literária Internacional de Pernambuco, FLIPORTO-PE, no concurso “Prêmio TOC 140”, tem dois poemas publicados em 2012 e 2013, respectivamente, por ficar entre os 100 melhores nessas duas edições. É formado em Letras, tem curso de Extensão Universitária pelo CEA, Centro de Estudos Africanos, USP. É contista, com obra variada a ser publicada em breve. Possui crônicas e contos publicados pela Câmara Brasileira do Jovem escritor. É crítico literário e escreve no blog “Tecer Palavras” cotidianamente.
Márcio Ahimsahttp://www.tecerpalavras.blogspot.com
É poeta, autor do livro “Lobisomem pós moderno”, em co autoria com o também poeta, Adenildo Lima, lançado em julho de 2012 pela Editora da Gente. Tem o poema “Batalha” publicado em antologia selecionada em concurso promovido pela secretaria de cultura de Guarulhos, em 2007. Pela Festa Literária Internacional de Pernambuco, FLIPORTO-PE, no concurso “Prêmio TOC 140”, tem dois poemas publicados em 2012 e 2013, respectivamente, por ficar entre os 100 melhores nessas duas edições. É formado em Letras, tem curso de Extensão Universitária pelo CEA, Centro de Estudos Africanos, USP. É contista, com obra variada a ser publicada em breve. Possui crônicas e contos publicados pela Câmara Brasileira do Jovem escritor. É crítico literário e escreve no blog “Tecer Palavras” cotidianamente.
- Advertisment -

Em Alta

- Advertisment -