O processo criativo de Dostoiévski em Crime e Castigo

O escritor russo tinha o hábito de desenhar seus personagens enquanto escrevia

Raskolnikov-Svidrigailov IMAGEM 1 ACIMA DO TEXTO

Como muitos de nós, Dostoiévski gostava de rabiscar quando ele estava distraído. Ele deixou em vários manuscritos de sua obra desenhos de rostos expressivos, elaborando características arquitetônicas. Mas os rabiscos de Dostoiévski eram mais do que apenas uma maneira de ocupar sua mente e as mãos; eles eram parte integrante de seu método literário. Sua imaginação romanesca, com todos os seus grandes excessos, era profundamente visual e arquitetônica. Quanto ao processo criativo, “na verdade Dostoiévski não se contentava em somente escrever e tomar notas”, escreve um dos estudiosos do escritor russo, Konstantin Barsht. Em vez disso, em sua obra o sentido e o significado das palavras interagiam reciprocamente com outros significados expressos através de imagens visuais. Barsht chama isso de “um processo de trabalho específico para o escritor”.

Crime-and-Punish-Doodles IMAGEM ABAIXO DO PRIMEIRO PARÁGRAFO

Seguem mais algumas páginas dos rabiscos do autor de Crime e Castigo, um romance que, talvez mais do que qualquer um de seus outros, oferece tais descrições vívidas de seus personagens que eu ainda posso claramente lembrar as fotos que eu tinha deles em minha mente na primeira vez que eu o li na escola.

Minhas visualizações do bravo e desesperado estudante Raskolnikov e o desprezível sociopata Svidrigailov não se assemelham exatamente aos rostos desenhados no papel, mas é assim que o autor os viu, pelo menos neste manuscrito do início do romance.

Os outros caras aqui podem ser aqueles de Sonya, o investigador da polícia Porfiry Petrovich, o pai alcoólatra reincidente Semyon Marmelodov, e outros personagens do romance, embora não esteja claro exatamente quem é quem.

Crime-and-Punish-Doodles-2 IMAGEM ABAIXO DOS TRÊS PARÁGRAFOS EM DIANTE

Dostoiévski tinha muito em comum com o protagonista quando começou o romance em 1865. Reduzido à quase miséria depois de jogar fora sua fortuna, o escritor também estava em situação desesperadora. A narrativa, segundo o crítico literário Joseph Franks, foi “concebida originalmente como uma longa história a ser escrita na primeira pessoa”. Nos cadernos de Dostoiévski, “extensos fragmentos desta obra original podem ser encontrados intactos.” Franks cita o estudioso Edward Wasiolek, que publicou uma tradução dos diários em 1967: “Eles contêm desenhos, anotações sobre questões práticas, rabiscos de vários tipos, cálculos sobre as despesas urgentes, esboços e observações aleatórias. “Dostoiévski a qualquer momento sentia a necessidade de escrever em seus cadernos, ou mesmo para praticar sua caligrafia, como ele fez em muitas páginas”.

Crime-and-Punish-Doodles-3

As páginas dos cadernos de Crime e Castigo se assemelham a todas as páginas dos manuscritos de seus romances. Você pode ver muitos mais exemplos de romances como O Idiota, Os Demônios e O Adolescente no site russo Culture, incluindo o auto-retrato esboçado abaixo, ao lado de algumas somas que indicam a preocupação perpétua do autor com os seus conturbados assuntos fincanceiros.

Dostoevsky-Self-Portrait

*Artigo traduzido e adaptado do original publicado no site Openculture.com

Márwio Câmara Author

Jornalista, bibliófilo e notívago. Pesquisador nas áreas de literatura e cinema.