O zumbi antes de The Walking Dead

Livro remonta à mitologia e propõe uma reflexão sobre o sucesso das histórias de mortos-vivos na sociedade moderna

zombies

A iminente estreia da sétima temporada de The Walking Dead tem gerado um dos maiores hypes relacionados a uma série de tevê dos últimos tempos.

Com o mistério da morte de um importante personagem em aberto, a expectativa é que o tão aguardado episódio, que vai ao ar neste dia 23, supere a audiência de seu antecessor, cujo número de espectadores foi o maior da história da emissora que transmite a atração no Brasil. Segundo informações do canal Fox, os 16 episódios, que compuseram o ano anterior, colocaram mais de seis milhões de pessoas em frente à tevê.



Caso o leitor não faça parte dessa população, e desconheça completamente a série, The Walking Dead é sobre um grupo de sobreviventes num mundo pós-apocalíptico, condenado por uma doença que transforma os seres humanos em mortos-vivos. A adaptação para a tevê, baseada nos quadrinhos criados por Robert Kirkman, não esconde a influência direta dos filmes de zumbis dirigidos por George Romero. Muito pelo contrário. Há diversos elementos de homenagem no correr das temporadas.

Para essa geração, The Walking Dead é responsável por estabelecer uma mitologia, da mesma forma que Romero instituiu um gênero de filmes de terror, a partir de 1968, com o lançamento de A noite dos mortos-vivos. O longa foi seminal para uma cinematografia – e um catálogo imensurável de outras expressões artísticas – de histórias de mortos que despertam com fome de carne humana, dos quais The Walking Dead é a celebração máxima desse meio século.

Isso comprova que, ao contrário dos milenares vampiros, lobisomens e múmias, o zumbi é um monstro da modernidade. Não entanto, apesar da fixação no imaginário coletivo (e na cultura pop) ter ocorrido há pouco tempo, a origem do zumbi não está nos filmes do Romero – ou num vírus, ou num acidente radioativo, ou numa arma química. Delinear esse ponto de partida até o momento em que, convertido em personagem (ultra)popular, o zumbi se torna um fenômeno cultural é a que se propõe A era dos mortos-vivos (Cultura em Letras Edições), de Eliel Barberino. O ensaio faz uma correlação entre apropriação e fascínio nos tempos modernos, problematizando o mito do morto-vivo como uma alegoria da humanidade desalmada e materialista, totalmente descrente quanto a um futuro alentador.

era-dos-mortos-vivosSe a proposição é pertinente ou não, não cabe aqui julgamento. O orelha informa que o autor, “estudante de filosofia e entusiasta em zumbis”, constrói seu livro através da condensação de seus estudos sobre o tema. De fato, é na camada epidérmica que Barberino expõe suas pesquisas e defende seus argumentos, sem nunca ir fundo o bastante. É estritamente uma síntese. E, sendo assuntada na condição de síntese, a linha de raciocínio se sustenta bem, sem atropelos ou contraposições de ideias.

“Alteridade é o conceito que melhor define a análise que faremos dos mortos-vivos. Ao buscar entendê-los, na verdade estaremos numa busca de nós mesmos. Ao fazermos um exame dos temas que os zumbis nos apresentam, creio que você perceberá que os zumbis somos nós, sou eu e você. Que o medo que temos dessas criaturas é um medo sublimado de nós mesmos e dessa civilização que criamos”, defende o autor.

Antes de chegar a essa discussão, porém, o ensaio remonta à  mitologia dos zumbis, em seus aspectos sobrenatural, científico e sociocultural. Barberino recorre a pensadores como Santo Agostinho, Freud, Nietzsche, Platão e Deleuze, para dar escopo à sua investigação por fatos, lendas e crenças que, de maneira fidedigna ou não, migraram para a literatura e, ato contínuo, para o cinema. É o caso da grafia do termo “zumbi” e do vodu, religião nascida no Haiti cujo feiticeiro, o bokor, detém do poder de fazer um cadáver voltar à vida. Tal fenômeno serviu de matéria-prima para A ilha mágica, do jornalista William Seabrook, relato sobre uma expedição pela ilha caribenha, no qual este descreve o encontro com grupos de escravos zumbis trabalhando em plantações. Ainda que uma mentira deslavada, foi essa história, escrita nos anos 1920, que acabou por influenciar Romero e todo um catálogo de poucos bons filmes e uma infinidade de títulos dignos da galeria trash do cinema mundial.

Foram os filmes de Romero que popularizaram os zumbis, mesmo não sendo os primeiros a usarem o monstro como vilão/protagonista. A mitologia do morto-vivo haitiano descrito por Seabrook passou por uma total reformulação, em A noite dos mortos-vivos, acrescentando um fator revolucionário: a fome por carne humana. Até então, essa não era uma característica típica dos zumbis. Esse foi um passo fundamental para se chegar ao apocalipse do mundo que conhecemos. Desse modo, o zumbi deixou de ser uma crença antiga de um pequeno país tropical para dominar, de vez, o ocidente. Com Romero, os mortos que caminham ganharam sucesso e fama.

“O zumbi é o monstro do século XXI. Não somente por ter sido criado há pouco tempo em relação aos monstros clássicos, mas por ser o melhor representante do nosso tempo. O zumbi traz consigo características próprias e que seriam impensáveis em outros tempos. Os mortos-vivos sabem fazer o jogo moderno. Mexer nos traumas corretos da modernidade. De certa forma, é um reflexo desse nosso tempo em crise em que o perigo global nos espreita a cada esquina com suas guerras, crises e atentados terroristas”.

São germes dispostos na última frase que o autor nutre e dá relevância, na parte final, a fim de teorizar a massificação dos mortos-vivos nas expressões artísticas como um sinal da falência do homem moderno, de uma sociedade regrada pela impulso crônico de se autodestruir. Barberino pauta suas questões com elementos empíricos e conceituais, baseando-se na literatura acadêmica e de entretenimento para apresentar maneiras de proceder que, como sustenta, provam que “somos todos zumbis”. Simulacros caminhando em bando e regrados pelo ideal de imortalidade vendido, num pacote mágico, pela indústria de consumo.

“Um dos fatores que caracterizam nosso tempo é a perda da identidade, é justamente o fato de sermos uma sociedade homogênea em que as diferenciações não são enxergadas. Somos todos convidados pela propaganda a usarmos os mesmos produtos e serviços”, aponta.

Com um conteúdo claro e bem articulado, A era dos mortos-vivos é uma boa leitura para os fãs das histórias de zumbi, que traz a proscênio uma reflexão muitas vezes incluída no subtexto das adaptações para o cinema e para a tevê. Um pouco raso em sua averiguação sistêmica, mas que oferece um painel justo do gênero e preenche o tempo em que se espera a revelação de quem foi a vítima de Negan e seu taco de beisebol enrolado em arame farpado, chamado carinhosamente de Lucille.



Artigo anteriorA ponta do iceberg
Próximo artigoAntologia Nick Cave
Sérgio Tavares
Autor de 'Queda da Própria Altura' (Confraria do Vento), finalista do 2º Prêmio Brasília de Literatura, e 'Cavala' (Record), vencedor do Prêmio Sesc Nacional de Literatura - Categoria Contos. Tem textos publicados em jornais, revistas e sites literários nacionais e internacionais.
Sérgio Tavares
Autor de 'Queda da Própria Altura' (Confraria do Vento), finalista do 2º Prêmio Brasília de Literatura, e 'Cavala' (Record), vencedor do Prêmio Sesc Nacional de Literatura - Categoria Contos. Tem textos publicados em jornais, revistas e sites literários nacionais e internacionais.
- Advertisment -

Em Alta

- Advertisment -