Resenha: As crônicas marcianas – Ray Bradbury

0
907

Numa performance artístico-poética, em As crônicas marcianas, Ray Bradbury passeia em uma história que mistura beleza, filosofia e sentimento. Esta obra também marca uma inovação criada pelo autor, o romance fix-up, onde várias histórias formam um conjunto final.

O livro parte da premissa que Marte pode ser um planeta habitado pelos humanos, os quais lá chegando, encontram a já decadente civilização marciana; decadente no sentido de em extinção; com suas grandes cidades abandonadas e os mares mortos, para completar o cenário.

“… disse-lhes que queria ir embora da Terra, que qualquer pessoa com a cabeça no lugar queria ir embora da Terra… Ele e milhares de outros como ele, se tivessem bom senso, quereriam ir para Marte. Pergunte-lhes se não quereriam! Ficar longe de guerras, censuras, estatizações, conscrição, controle governamental disto e daquilo, da arte e da ciência! Vocês podem ficar com a Terra!”.

De forma melancólica, Bradbury desliza pelas linhas travessas da história abordando assuntos como: a arrogância do homem; a inconsequência; a imposição de valores culturais; invasão de território; entre outros.

O autor tem uma forma especial de analisar todas as bases da nossa civilização através de seu senso crítico e bem-humorado, como nos trechos a seguir:

“… Nós terrestres, temos um enorme talento para arruinar coisas grandes e belas. A única razão pela qual não instalamos barracas de cachorro-quente no templo egípcio de Karnack foi porque estava fora da estrada ou não oferecia grande oportunidade comercial. E o Egito é uma pequena parte da Terra…”.

“… Somos como crianças de calças curtas, alegres com nossos foguetes e átomos de brinquedo, barulhentos e vivos. Mas um dia a Terra se tornará o que Marte é hoje. Isso nos dará juízo. É uma lição objetiva de civilizações. Aprenderemos com Marte…”.

Para finalizar, o livro é um banquete para quem ama ficção científica, filosofia e poesia; não necessariamente todas elas, pois cada um pode se servir do pedaço do bolo que deseja. É uma leitura rápida e fluida. Vale a pena.