Resenha: Risíveis Amores – Milan Kundera

0
1191

Não havia lido nada do Kundera até o momento e “Risíveis Amores” foi a primeira experiência que tive com o autor. Que foi, diga-se de passagem, agradabilíssima. O livro é dividido em sete contos.

Embora cada conto tenha suas peculiaridades e as histórias tenham facetas diferenciadas, há uma característica e um assunto em comum durante todos os contos, o sexo. Abordado de uma maneira completamente diferenciada, o “sexo” de Kundera descentraliza a seriedade e o amor empregados  anteriormente e passa a ser algo muito mais carnal e muito mais visceral do que geralmente costuma ser compreendido. Os sacrifícios e os malabarismos de alguns personagens do livro em troca de uma boa relação sexual são deveras engraçados. A escrita de Kundera, matemática e “parruda”, é muito bem desenvolvida e ele ata o leitor em cada frase e não o solta enquanto não terminar, no mínimo, o parágrafo. É de um estilo e uma característica literária peculiaríssima.

1189010-250x250O primeiro conto, “Ninguém vai rir”, é engraçadíssimo (que paradoxo!) e retrata a vida de um professor, que tem grande domínio sobre assuntos artísticos e fica encarregado de escrever uma crítica a respeito do trabalho de outro pesquisador. Entre estes dois pontos acontece tanta confusão, que causa angústia ao leitor a tremenda furada que esse professor se meteu. Isso tudo, é claro, acompanho perifericamente por grandes doses de sexualismo.

Nos três contos seguintes, “O pomo de ouro do eterno desejo”, “O jogo da carona” e “O Simpósio”, a visão sexual é vista de maneira muito mais incisiva e ela brinca com três situações super discrepantes de cada história. Ainda com sua dose de humor peculiar – assim como uma molhada de lábio de uísque -, o autor contrasta vida conjugal, frustrações amorosas e traições de uma forma muito interessante.

Nos contos “Que os velhos mortos cedam lugar para os novos mortos”, “O dr. Havel vinte anos depois” (Dr. Havel que é protagonista, inclusive, do conto “O Simpósio”) e “Eduardo e Deus”, que são os últimos três contos do livro, as situações são ainda mais peculiares, e Kundera faz algumas ponderações sobre a velhice, morte e até mesmo sobre Deus, e mesmo assim, como se fosse algo que fizesse parte da própria natureza do autor, tudo acaba na mais pura relação e no mais interesse sexual dos personagens.

É um livro, que apesar de ser banhado pelo assunto sexual e pelo desejo, trata de algumas questões interessantes e alguns personagens tem pontos de vistos e filosofias de vida que refletem muito à perspectiva e visão que o autor tem diante das coisas. Super recomendado. Achei esse livro a cara do escritor, apesar de haver lido somente este. Acredito, falando até mesmo de um modo preconceituoso, que é um bom livro para começar a se ler Milan Kundera.

Livro: Risíveis Amores
Autor: Milan Kundera
Editora: Companhia das Letras

Caso se interesse pelo livro, adquira-o por aqui e ajude o site Homo Literatus.