Ruy Guerra e suas adaptações de livros para o cinema

0
829

Conheça Ruy Guerra, o cineasta moçambicano-brasileiro que demonstra ter paixão em trazer literatura às telas dos cinemas

ruy guerra

Ruy Alexandre Guerra Coelho Pereira, mais conhecido como Ruy Guerra, nasceu em Lourenço Marques, atual Maputo, capital e a maior cidade de Moçambique, no dia 22 de agosto de 1931. No entanto, foi radicado no Brasil desde 1958. É mais conhecido como cineasta; ao lado de Glauber Rocha e Nelson Pereira dos Santos, é considerado um dos mais importantes realizadores do Cinema Novo brasileiro. Mas não para aí: Ruy Guerra também é escritor, poeta, dramaturgo, ator e professor, além de ter produzido alguns musicais.

Durante a adolescência, publicou críticas de cinema, contos e crônicas em jornais de sua região. Também se dedicou à atividade política, militando pela independência de seu país. Aos 19 anos, autoexilou-se e foi estudar cinema em Paris, onde permaneceu até 1958, trabalhando como assistente de câmera e assistente de direção. Aos 27 anos radicou-se no Brasil, como já mencionado, onde dirigiu seu primeiro filme, Os cafajestes (1962). Aproximou-se do Cinema Novo e, em 1964, dirigiu Os fuzis, um dos longas mais significativos do movimento.

Em 1973, escreveu, com Chico Buarque, a peça Calabar, proibida pela censura e encenada apenas seis anos depois de escrita. Devido à independência de Moçambique, retornou ao país em 1980, e lá participou da criação do Instituto Nacional de Cinema Moçambicano, além de filmar Mueda, memória e massacre, primeiro longa-metragem do país. Entre 1991 e 1994 viveu e trabalhou em Cuba. Em 1996, publicou a coletânea de crônicas 20 navios, sua estreia (solo) oficial na literatura.

Duas grandes temáticas permeiam seus escritos e, também, os seus filmes: as questões conceptuais ligadas à multitemporalidade do acontecimento histórico (como a experiência, a memória, as interpretações de eventos sociais), e o conjunto de dinâmicas relacionadas com a imposição da violência do Estado e da modernização, associado aos processos de desintegração da ordem do mundo antigo.

Uma boa parte da produção cinematográfica de Ruy Guerra é originada por meio de adaptações de textos literários, o que demonstra o apreço do cineasta pela literatura, tanto brasileira quanto estrangeira, não só na condição de escritor.

Guerra, a partir de 1972, deu início a alguns projetos em colaboração de ninguém mais e ninguém menos que Gabriel García Márquez.  O cineasta adaptou livremente vários romances do escritor, como Eréndira (1983), Fábula de la Bella Palomera (1988) e O Veneno da Madrugada (2004/2005). Além disso, há  Me Alquilo para Soñar (1992), mini-série filmada integralmente em Havana, a partir do relato epônimo publicado por García Márquez, em 1980, na antologia Doze Contos Peregrinos.

Além disso, o cineasta moçambicano-brasileiro também dirigiu alguns filmes que foram adaptados de grandes obras da literatura brasileira, tais como: Kuarup (1989), baseado na obra Quarup, de Antônio Callado; Estorvo (2000), baseado na obra homônima de Chico Buarque; Quase Memória (2015), seu filme mais recente, baseado na obra homônima de Carlos Heitor Cony.