Sebos, livrarias, livros e conhecimento

sebo

Já faz anos, nem me lembro mais desde quando, que sou um frequentador assíduo de sebos — esses locais, para quem não sabe, onde se vendem em geral livros usados, além de outras quinquilharias como velhos LP’s. Gosto desses ambientes por me sentir livre para vasculhar de maneira despretensiosa aquilo que me interessa, normalmente livros e HQ’s, e eventualmente fazer algum achado singular.

Afinal, mesmo hoje em dia, na era das compras pela internet, algo que se populariza cada vez mais, ainda sim gosto de ir a esses locais. Costumo, sim, comprar livros pela internet, afinal com promoções tentadoras não há como não deixar de se aproveitar elas. Porém, sendo sincero, vasculhar um site, por melhor que sejam os preços de seus produtos, ofertas e descontos, não se compara a sensação de vasculhar fisicamente prateleiras de livros seja de uma boa livraria ou mesmo sebo.

Tempos atrás então, quando resolvi tirar um dia para ir a alguns sebos e livrarias, convidei um amigo meu para ir comigo. O convidei por sermos apreciadores de bons livros e por termos afinidade com algo em comum: filosofia. Naturalmente, em nossas andanças, quando já adentramos o primeiro sebo a que fomos naquele dia, a primeira seção para a qual nos dirigimos foi a de filosofia. Empolgados, ele ainda mais do que eu, observamos os livros ali dispostos.

Encontramos, entre as obras perdidas por ali, Kant, Hegel, o Dicionário Filosófico de Voltaire e manuais de filosofia dos mais variados. Enquanto meu amigo se mantinha entretido dei uma olhada no local. Havia uma infinidade de obras das mais variadas. Livros sobre cinema, culinária, literatura brasileira, estrangeira, guias médicos etc. Obras suficientes para despender algumas boas horas olhando e selecionando.

Enquanto fazia isso, olhava os livros aleatoriamente sem o mínimo de foco ou critério na busca por algo, meu amigo chegou para mim com um achado entre as mãos: Crítica da Razão Pura de Kant. Uma boa escolha. Se demonstrava animado com a compra. Mas o mais interessante foi o que me disse a partir daí. Que se sentia fascinado por adquirir de maneira tão barata um livro tão fundamental para a filosofia, senão mesmo a cultura ocidental de uma maneira geral, de forma tão barata. Caso não esteja enganado, uns dez reais. E que séculos atrás encontrar, como encontrou ele, um exemplar desse livro assim, de forma relativamente fácil e a um preço acessível, provavelmente não seria tão simples.

Acabei refletindo com isso e até mesmo me transportei, por alguns instantes, para séculos anteriores. Lembrei-me de Sean Conery, o eterno James Bond, na pele de um monge franciscano no filme O Nome da Rosa. Lembrei-me disso pelo fato de aqueles monges copistas que ali eram mostrados despenderem  suas vidas na cópia de um exemplar da Bíblia, ou algum clássico latino ou grego. Pensei inclusive o quanto não foi fácil, durante muito tempo, encontrar obras de grandes filósofos de forma traduzida.

Foi apenas um momento de breve reflexão em que me dei por satisfeito por viver na época em que vivo, no qual o acesso ao conhecimento se dá de maneira tão simples, e um clássico da literatura universal ou mesmo filosofia é encontrado em um sebo, livraria ou mesmo na internet.

No final das contas, aproveitando o ensejo, e o passeio por sebos e livrarias, naquele dia, revolvi seguir o exemplo de meu amigo, e como ele adquirir conhecimento em forma de livros.

Fabricio Bittencourt Autor

Trabalho em uma editora, estudo filosofia e dedico parte do meu tempo para a escrita. Tenho contos publicados nas seguintes antologias: Conte uma Canção (2014) e Projeto Beta: Antologia de Contos Universitários (2015).