Um mundo a despeito dos homens

0
731

Há um mundo sem os homens? Ou ainda mais: há humanidade no mundo dos homens? Sobre o livro de Frank Neres: Mundo sem fim

frank_nietzsche

Quando Nietzsche escreveu as primeiras linhas daquele que viria a ser um de seus grandes opúsculos (Sobre verdade e mentira…) trouxe-nos o incômodo aviso da inutilidade de nosso conhecimento, aliando isso ao assombro do cataclismo planetário que um dia nos deixará, seres arrogantes e megalomaníacos, sem casa. Muito antes dele, Voltaire já havia feito o habitante gigantesco de um planeta exógeno visitar-nos e, espantado, nos observar como a micróbios dotados de imensa afetação (Micrômegas). Frank Neres nos presenteia agora com uma brochura que aparenta ser a continuação da saga.

mundo_sem_fim
Mundo sem fim (Clube dos autores, 2015)

Mundo sem fim é o título da brochura do Frank Neres, sua estreia no mundo literário que, parece, de fato não tem fim. O pequeno livro com seus sete contos aparenta se propor a nos cutucar, nos vexar lembrando-nos dos rastros maléficos de nossa humanidade – sim, desumanidade é apenas uma palavra inventada para significar oposição, vez que a própria humanidade é eficazmente desumana desde tempos imemoriais – na lenta e contínua destruição do mundo que chamamos Terra.

Seja por meio da destruição do planeta por um asteroide, seja por meio da destruição de parcela considerável da humanidade por um vírus mortal (ao estilo The walking dead – no conto do Frank não há zumbis por assim dizer, mas poderíamos entender que os seres humanos sobreviventes à catástrofe são os verdadeiros mortos que caminham), ou mesmo, da destruição de toda a cultura de uma humanidade que resta à deriva num mar imenso e inóspito do desconhecimento, Frank nos desperta para a reflexão que há muito o herdeiro dos Arouet e o bigodudo dinamite nos fizeram: há um mundo sem os homens? Ou ainda mais: há humanidade no mundo dos homens?

Certamente são questões que ainda girarão insistentemente em nossas mentes e nas dos que virão, até que um dia o astro Terra se congele e não reste mais nada daquilo que fomos. Antes disso, vale ler o livro do Frank.

 

Referências:

NERES, Frank. Mundo sem fim. São Paulo: Clube de Autores, 2015.