Conto: Quarentena

E se nossa interação com os computadores fosse ainda maior? Leia o penúltimo do projeto 12 Contos

capas_11

Um senhor entrou devagar na sala do médico, andando um pouco mais rápido que um caracol. O doutor examinou a ficha do paciente e se adiantou.

“Então Seu Geraldo, aqui diz que o senhor sofreu um acidente de trabalho, foi isso mesmo?”

“Foi… sim senhor.”

“E trabalha com o quê?”

“Sou técnico… de informática.”

“Como foi esse acidente?”

“Eu me cortei… desmontando um PC.”

“O seu problema é só a lentidão?”

“Também ando muito esquecido.”

“Percebeu alguma outra alteração?”

“Não me lembro.”

“Ok, Seu Geraldo. Estou certo de isso é uma virose.”

“Como uma gripe… ou dengue?”

“É outro tipo de vírus. É que hoje nós já compartilhamos com os computadores muito mais que apenas informações.”

“É mesmo? Quer dizer que fui infectado… por um computador?”

“Exatamente. E o senhor teve sorte. Semana passada eu atendi um homem que pegou AIDS de um pendrive infectado. Desses pendrives promíscuos que entram em qualquer USB.”

“Nossa, mas o que eu tenho… é grave?”

“Não posso afirmar nada. Vou deixá-lo em quarentena, se não resolver, vou ter que formatar o senhor.”

 

 

Silvano Filho Autor

Escritor e designer gráfico. Pernambucano do interior. Casado com a mulher da sua vida. Autor do projeto literário 12 Contos (2015). Escreve sua literatura com a mão esquerda. Fanpage: facebook.com/silvanobsfilho