Litercultura: o festival que é um livro no qual cabem muitos

Saiba quem vai participar da 4ª edição do Litercultura, que acontecerá de 26 a 28 de agosto
13882374_1087592751278266_3229827725436552327_n
O Litercultura é um livro no qual cabem muitos. Nascido em 2013, o festival trouxe à Curitiba os internacionais Valter Hugo Mãe, Gonçalo Tavares e Alan Pauls, além de Cristovão Tezza, Marcia Tiburi, Eliane Robert Moraes e Sérgio Rodrigues, entre outros autores. Além da literatura, o festival também teve mesas sobre política, futebol, filosofia e apresentações musicais, criando um vasto painel no qual as artes se encontram.
O 4º ano do Litercultura mantém a pluralidade consolidada pelas edições anteriores, e você pode conferir a programação principal aqui. As mesas vão acontecer no Palácio Garibaldi, na Praça Garibaldi 12 perto do Largo da Ordem e uma quadra acima do Cavalo Babão, no centro.
Já publicamos sobre alguns autores que vão participar do festival esse ano, você pode conferir ao clicar nos nomes deles. A programação completa com as mesas pode ser vista no perfil do Litercultura, e a paralela, com oficinas e demais atividades, pode ser vista aqui.
 
A bilheteria do festival abre nessa semana, com três pontos de distribuição:
Espaço UP do Shopping Palladium
Av. Presidente Kennedy 4121 loja L2 Portão
Próximo ao terminal Portão
Universidade Positivo – Câmpus Praça Osório
(loja de matrículas, na entrada do prédio) Pça Gen. Osório 125, Centro

Universidade Positivo – Câmpus Ecoville
Bloco amarelo – Térreo – Loja Positivo oficial
 
Dia 26 de agosto
Abertura – 19h30
Panorama Paranístico: encontro com escritores e conferência de Ivan Justen Santana
O Litercultura promove o encontro de mais de 50 autores do Paraná – com exposição e venda de livros seguidas de sessões de autógrafos, conferência do poeta Ivan Justen Santana sobre a literatura paranaense e sarau com leituras acompanhadas pelos músicos Marcelo Torrone e Gabriel Schwartz.
 
Dia 27 de agosto
Mesa 1 – 11h
Salomé em cena: Fausto Fawcett e Cia. do Urubu
O mito bíblico de Salomé e sua versão teatral pelo escritor irlandês Oscar Wilde são o ponto de partida de mais um trabalho de pesquisa da Companhia de Teatro do Urubu, com adaptação do dramaturgo, escritor e compositor Fausto Fawcett e parceria de direção de Nadja Naira (da Companhia Brasileira de Teatro) – que falam da adaptação e fazem leitura dramática do espetáculo.
Mesa 2 –14h30
Paraísos perdidos: Beatriz Bracher e Lourenço Mutarelli
A romancista e contista Beatriz Bracher – que, em livros como Azul e Dura, Antonio, Meu Amor e Anatomia do Paraíso, confronta subjetividades angustiadas com a aflitiva realidade brasileira – encontra o universo infernal do prosador, dramaturgo e artista gráfico Lourenço Mutarelli – autor de O Cheiro do Ralo, O Natimorto e O Grifo de Abdera.
Mesa 3 – 16h
Totalidade fragmentada: Luiz Ruffato e Antonio Geraldo Figueiredo Ferreira
Da metrópole estilhaçada de Eles eram muitos cavalos e do multifacetado painel de Inferno provisório, de Ruffato, ao coro de vozes interioranas de As visitas que hoje estamos, de Figueiredo Ferreira, o rural e o urbano, o público e o privado, o arcaico e o moderno expressam, pela mescla de gêneros, os grandes malogros e as pequenas utopias da precária experiência brasileira.
Mesa 4 – 17h30
O visitante do vazio: Juliano Garcia Pessanha
Em Sabedoria do nunca, Ignorância do sempre e Certeza do agora, Juliano Garcia Pessanha compôs um universo em que ficção, ensaio, poesia em prosa e fragmento se apresentam como diferentes formas (para além de qualquer formalismo linguístico) de abordar as fraturas existenciais.
Mesa 5 – 19h30
Ficção explícita, identidades ocultas: Jacques Fux e Anna P.
Depois de Antiterapias, romance vencedor do Prêmio São Paulo de Literatura de 2013, Jacques Fux enveredou, em Brochadas, pela história das frustrações sexuais de filósofos, escritores e artistas. Se o humor judaico de Fux satiriza com irônica erudição as próprias experiências (reais ou ficcionais), dando voz a ex-namoradas, no palco do Litercultura ele dialoga com a voz da obscena Anna P. – autora do mais do que explícito Tudo que eu pensei mas não falei na noite passada, que permanecerá fora de cena para ocultar sua identidade.
Sex Libris – 21h15
O sarau Sex Libris vai reunir Jacques Fux, o escritor Otávio Linhares, a atriz Iria Braga (que recita textos de Anna P.), a compositora Estrela Leminski, o escritor Fausto Fawcett e a mediadora Manoela Leão em um bate-papo sobre literatura erótica.
*O Sex Libris vai ser to Teatro Universitário (TUC), na Galeria Júlio Moreira, Travessa Nestor de Castro, a 5 minutos a pé do Palácio Garibaldi.
 
Dia 28 de agosto
Mesa 6 – 11h
Entre Éden e Apocalipse: Eduardo Spohr
Maior fenômeno brasileiro do gênero fantasia, Spohr é o criador das séries A Batalha do Apocalipse e Filhos do Éden. Por trás do caráter fantasioso dessas sagas, está um estudioso da jornada do herói no cinema e na literatura, um escritor cujas referências na mitologia, na história das religiões e na ficção de autores como Tolkien e Stephen King se associam a uma atmosfera de perpétua batalha entre forças arquetípicas e antagônicas – projetando fantasmas históricos num Rio de Janeiro futurista e em espaços celestiais habitados por guerreiros e arcanjos, feiticeiros e demônios.
Mesa 7 – 15h
Universos em miniatura: Alice Ruiz e Luci Collin
A partir de referências e dicções diferentes – a poesia oriental e a música popular brasileira, em Alice Ruiz; um trânsito entre prosa e poesia que inclui fluxos de consciência e colagens textuais, em Luci Collin –, duas autoras curitibanas que se tangenciam na busca da máxima expressividade da linguagem e da experiência a partir da forma mínima do haikai ou do fragmento, desmontando clichês linguísticos e formas coaguladas para criar universos em miniatura.
Mesa 8 – 16h30
O Haiti é aqui: Rei Seely e Fernando Bonassi
Mediação: José Carlos Fernandes
Autor de Subúrbio, romance de 1994 que inaugurou nova fase da ficção urbana brasileira, Fernando Bonassi percorreu diversas formas literárias (romance, conto, ficção infantojuvenil, teatro, roteiro) até sintetizar, com Luxúria (2015), sua visão do naufrágio de nossos sonhos de emancipação social. Aos exílios internos de Bonassi se alternam as vivências do haitiano Rei Seely, que se exilou no Brasil para encontrar outras formas de exclusão, das quais se refugia pela literatura, lançando seu primeiro livro no Litercultura.
Mesa 9 – 18h
Escritas da despossessão: Vladimir Safatle
Mediação: Manuel da Costa Pinto
Filósofo que utiliza as ferramentas do pensamento de esquerda, da arte e da psicanálise para analisar a formação do corpo político contemporâneo e para compreender como ocorre hoje a intervenção política sobre os corpos, Vladimir Safatle fala – a partir de seu mais novo livro de ensaios, O circuito dos afetos – sobre as formas de possessão (e despossessão) que atravessam desde as experiências amorosa e estética até os assujeitamentos dos sujeitos biopolíticos.
Mesa 10 – Encerramento – 19h30
Rumo ao sul: Vitor Ramil
Mediação: Manuel da Costa Pinto
O escritor, compositor e cantor Vitor Ramil, autor da novela Pequod e do romance A primavera da pontuação, fala de sua literatura, da cidade imaginária de Satolep (que dá título a um de seus romances e é um palíndromo de sua Pelotas natal) e da proposta de criar uma “estética do frio” –  presente tanto em seus livros quanto nas milongas (ou “ramilongas”) que Ramil compôs a partir da leitura de autores como o argentino Jorge Luis Borges e o gaúcho João da Cunha Vargas e que ele canta e comenta ao final do Litercultura.

Walter Bach Autor

Colaborador desde 2014 do Homo Literatus, incluindo tradução, revisão e redação; coeditor de junho de 2015 a agosto de 2018 Colaborei no portal A Escotilha, de Curitiba/PR, de 2015 a 2016.