A repercussão da literatura marginal brasileira na França

0
686

A chegada de escritores da literatura marginal brasileira como forma de discutir os problemas sociais franceses

literature_french

A literatura francesa teve grande influência na produção brasileira, especialmente durante o século XIX, auge do movimento Realista/Naturalista. O movimento de exportação da nossa literatura, no entanto, foi bem mais demorado. Hoje, graças à globalização, é possível haver um contato maior entre as culturas e suas respectivas artes. Desse modo, a editora Paula Anacaona, da Editions Anacaona, descobriu a literatura marginal brasileira, tendo decidido investir em sua publicação na França.

Tudo começou quando Anacaona trabalhou como intérprete de Paulo Lins, autor de Cidade de Deus. O escritor lhe recomendou outros autores brasileiros, como Ferréz. Paula gostou muito de Ferréz, mas observou que esse tipo de literatura parecia não agradar a maioria das editoras francesas. Optando por levar adiante seu projeto, ela criou a Editions Anacaona, para lançar autores marginais, como Marcelino Freire, Rodrigo Ciríaco, Ronaldo Bressane, Marçal Aquino, Alessandro Buzo e Victoria Saramago. Uma das publicações coletivas é a compilação de contos Je Suis Favela, no Brasil Eu sou Favela, pela editora Nós.

Paula acredita que as questões sociais brasileira possuem suas semelhanças com as francesas: “Há contatos entre as periferias da França e do Brasil. O sentimento de exclusão é igual em todo o mundo, por mais que as reações às vezes sejam diferentes. A luta que a literatura marginal brasileira faz para que jovens não entrem no tráfico de drogas, aqui pode ser para que eles não entrem em guerras santas, o que está acontecendo muito”.

Apesar disso, há certa resistência dos franceses em encarar a realidade de suas periferias. A editora e tradutora gostou da maneira como o Brasil é mais aberto para discutir seus problemas, além de os escritores marginais orgulharem-se de sua categoria como representantes das minorias. Recentemente, com os atentados ao jornal Charlie Hebdo, a França também precisou se abrir a reflexões sobre exclusão de grupos sociais. Com isso, a Editions Anacaona teve um bom índice de vendas no Salão de Paris este ano, que, não por acaso, homenageou o Brasil.

A francesa apenas lamenta que ainda não tenha conseguido atingir fortemente o público jovem, morador da periferia, para quem seria mais interessante conhecer a literatura marginal. A maioria de seus leitores consiste numa classe média politizada. Ela também deseja investir em autores clássicos, considerados marginais pela crítica moderna por retratarem as classes mais baixas, como Lima Barreto e Plínio Marcos. Um grande passo para o reconhecimento internacional da literatura brasileira.