70 anos do Pequeno grande Príncipe, de Saint-Exupéry

A obra mais vendida da literatura francesa, vendendo no Brasil cerca de 300 mil exemplares por ano, O Pequeno Príncipe, de Saint-Exupéry, completa 70 anos.

-

Em seu aniversário de 70 anos, o sempre jovem de corpo e alma pequeno príncipe de Antoine de Saint-Exupéry ganha de presente uma exposição na cidade de Nova York, local onde o romance foi desenvolvido. Na amostra o visitante pode apreciar os manuscritos originais esboçados pelo autor, além de fotos, cartas e objetos pessoais da coleção do próprio.

Escrito durante o “exílio” de Antoine na Big Apple e na época auge da Segunda Guerra Mundial o livro propõe inúmeras lições de amizade, amor e carinho em um tempo em que o mundo carecia de belas palavras e humanidade. Quando estava de saída da cidade, o autor bateu à porta da amiga Silvia Hamilton, já fardado como militar para voltar ao ofício de piloto de reconhecimento, e a disse, decepcionado: “Queria dar algo esplêndido, mas isso é tudo o que eu tenho”.

A obra que Saint-Exupéry denominou como “isso” hoje é considerada um dos livros mais lidos e traduzidos do mundo, com versões para mais de 200 línguas, e o livro mais vendido da história da literatura francesa. No Brasil a obra vende um total de 300 mil exemplares por ano, o que mostra o quão atual a história do príncipe vindo do asteroide B612 continua sendo. Há escolas de nível fundamental que adotam a leitura como obrigatória e, a partir da leitura e reflexão do texto, sensibilizam seus alunos à realidade escolar e mundial, fazendo assim a mais pura aplicação da Literatura: transformar.

Há um paralelo interessante entre a vida do autor e do personagem. Em diversos momentos da história ambos encontram-se e confundem-se. Estudos sobre a obra revelaram que há semelhanças entre a rosa tão cuidada pelo príncipe e a esposa de Saint-Exupéry: ambas seriam doces e vaidosas. Além disso tanto o príncipe quanto o autor desaparecem misteriosamente. No final da história o príncipe se vai sem ao menos dar explicações ao piloto e na vida real Antoine desapareceu em um voo realizado um ano após o lançamento do livro.

“Eis o meu segredo. Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos.”

Mesmo em meio aos tantos mistérios que cercam a história até hoje e põem em xeque a sua ficcionalidade, O Pequeno Príncipe continua sendo grandioso, em números, quantidade de citações online, produtos vendidos e lições. Em um mundo de comercialização abundante é sempre bom lembrar-se do que é de fato necessário para viver, seja essa lembrança em uma tatuagem, em um livrinho repleto de citações de bolso ou em nosso próprio mundo que pede cada vez mais e mais para ser cativado por nós e vice-versa.

Sofia Alves Autor

Uma carioca que brinca de escrever sempre que pode. Aluna da Faculdade de Letras da UFRJ. Acredita que a Arte é o refúgio para nossa ordinaridade, como bem disse Schopenhauer.