A morte impulsionando a literatura

1
964

Recentemente li no site do jornal Correio Braziliense que um grupo de poetas e escritores promovem encontros para falar sobre a morte. A ideia é de Renato Fino, autor de “Debaixo do céu do seu vestido”, que batizou o evento como Noites Mortas. Uma vez por mês, o grupo se reúne com o objetivo de falar da morte, fazer leitura de poemas, contos e crônicas ligados ao tema e apresentar performances e intervenções.

Maurício Chades, Jaqueline Dias, Patrícia Calmeneiro, Anna Prado, Carol Barneiro, Renato Fino e Hilan, frequentadores das Noites Mortas, do Senhorita Café.
Maurício Chades, Jaqueline Dias, Patrícia Calmeneiro, Anna Prado, Carol Barneiro, Renato Fino e Hilan, frequentadores das Noites Mortas, do Senhorita Café.

Quem nunca sentiu angústia ao pensar na morte e no que ela pode representar? Quem também nunca pensou em morrer para acabar com a dor? Ainda que não saibamos nada sobre a morte e quais os benefícios (?) que ela possa trazer, ainda reina em nosso imaginário uma espécie de sono apaziguador que possa dar cabo de todo sofrimento, apesar de que, para nosso inconsciente, somos todos imortais.

Há um velho clichê que diz que a morte é a única certeza da vida. Mas essa definição é uma verdade existencial inescapável. Portanto, fundamental. A consciência do fim é algo que se impõe a cada um como destino individual e inevitável. Talvez por ser o grande mistério de toda uma vida, a morte tem sido um tema recorrente na história da literatura. Muitos autores, internacionais e nacionais, têm utilizado a finitude humana para compor o drama principal de seus personagens.

Na literatura nacional destaco dois jovens e promissores autores que vêm marcando espaço na literatura contemporânea: André de Leones e Carlos de Brito e Mello que, em 2012, estiveram presente na décima edição da Festa Literária Internacional de Paraty, numa mesa intitulada Escritas da Finitude.

André de Leones, vencedor do Prêmio Sesc de Literatura 2005 com o romance “Hoje está um dia morto”, destaca a influência da morte em suas obras. Sua escrita constrói mundos em estágio terminal e parece contaminar-se pelos dilemas existenciais que apresenta. Em seu livro mais recente, “Terra de casas vazias”, um ponto em comum em todas as histórias que se entrelaçam, é o enfrentamento das perdas, os processos de luto que a estas acompanham e a consciência de que enquanto vivermos essas perdas serão constantes.

“A passagem tensa dos corpos” (livro finalista dos prêmios São Paulo, Jabuti e Portugal Telecom em 2010), de Carlos de Brito e Mello é, na minha opinião, um dos romances mais geniais de todos os tempos. Absurdamente original o narrador desta história, que não tem sua origem e constituição claramente definida, tem de ir percorrendo cidades de Minas Gerais, colecionando registros de falecimentos, com o objetivo de readquirir forma humana, utilizando como meio para discrição das mortes que encontra pelo caminho a própria linguagem:

“Toda palavra proferida ao redor da morte comporta, pelo menos, um fonema enlutado, e as perturbações de fala são formas pelas quais morrer obseda a língua.”

André de Leones e Carlos de Brito e Mello
André de Leones e Carlos de Brito e Mello

Carlos de Brito e Mello destaca que “apesar de tudo, narrar é a única opção que nos resta, antes de sermos tomados por ela.”

A morte, como desespero universal, continuará inspirando a literatura por ser, a priori, um tema complexo, misterioso, que não pode ficar restrito ao campo das religiões e da fé e que, irremediavelmente, afeta a todos.

De forma magistral, assim discorre sobre a morte o psicanalista e filósofo Ernest Becker em seu livro “A negação da morte” (vencedor do prêmio Pulitzer de 1974): “Como deve ser doce abrir mão do colossal fardo de uma vida de autodomínio, autoformação, relaxar a crispação com que a pessoa se agarra ao seu próprio centro e ceder passivamente a um poder e a uma autoridade superiores, e que alegria nessa rendição: o conforto, a confiança, o alívio no peito e nos ombros da pessoa, a leveza do coração, a sensação de estar sustentado por algo maior, menos falível. Com os seus problemas característicos, o homem é o único animal que pode, muitas vezes de bom grado, abraçar o profundo sono da morte, mesmo sabendo que isso significa o esquecimento.”