Vera Helena Saad Rossi

Vera Helena Saad Rossi
Nome
Vera Helena Saad Rossi
Bio
Nasceu em Ourinhos/SP em 1º de abril de 1976. Escritora e jornalista é Mestre em Literatura e Crítica Literária pela PUC – SP e Doutora em Comunicação e Semiótica também pela PUC – SP e tem participações no Portal Cronópios, na Revista Língua Portuguesa, Revista Metáfora, Revista Cult entre outras. É autora do livro de contos Mind the Gap (Editora Patuá). Mantém o blog Palimpsesto: http://verahelena.blogspot.com.
Twitter
Facebook
Medium

Recent Post byVera Helena Saad Rossi

Clarice Lispector entrevistadora: a pergunta originalmente grega*

À interrogação é reservado um capítulo especial na elaboração do discurso. Aristóteles institui o uso da interrogação na Arte Retórica ante a possibilidade de mostrar que o adversário se contradiz ou que suas assertivas são paradoxais, ou ainda, para obrigar o adversário a responder de maneira sofística, a fim de destruir a asserção proposta (ARISTÓTELES, […]

Conto: As Caixas de Papelão da Família A. Almeida

Nosso apartamento, como se espera de um apartamento, abriga um lugar por vezes sombrio, onde é guardado nosso passado, talhado em papéis, quinquilharias, objetos inúteis e mais um sem número de peças inutilizadas do cotidiano. Mantemos o local [que se resume a várias caixas de papelão desequilibradas no quarto dos fundos] intocável, atordoados com a […]

THE NEW JOURNALISM: um jornalismo antigo que permanece novo

Em 1966, Gay Talese escreve Frank Sinatra has a cold, que se tornaria a reportagem mais famosa sobre o Blue Eyes. Sem entrevistar efetivamente Frank Sinatra, Talese traça um rico perfil do cantor por intermédio de depoimentos de personagens próximos a ele. A linguagem de Gay Talese anuncia um novo jornalismo, já evocado em 1965 […]

A literatura como autorretrato: quando Jean-Jacques Rousseau já escrevia autobiografias

Ainda que muitos apontem a autobiografia como um fenômeno recente, é interessante lembrar que o gênero remonta um passado distante. Seguindo a tradição de Montaigne; Rousseau, no século XVIII, produziu importantes obras autobiográficas, entre elas Confissões e Os Devaneios do caminhante solitário.