Sexta e sábado do 1º Festival Literário de Extrema/MG

IMG_4707
Andrea del Fuego, Cadão Volpato, Marcos Peres e João Anzanello Carrascoza

Dizer que é um festival literário ainda é pouco, pois o que temos visto aqui em Extrema/MG é, na verdade, um encontro cultural que agrega várias Artes: música, teatro, cinema e literatura. Na sexta-feira (12/09), aconteceu a abertura do evento com o cantor Micael Chaves, recebendo o público com um som suave, mas que remete à riqueza cultural da música brasileira.

No sábado, as praças da cidade realmente receberam o público que veio para o evento. Começando pela Feira de Artesanato, depois pelas barracas temáticas e pela gincana com os estudantes.

Entretanto, o momento mais esperado pelo pessoal do festival, certamente, foram as mesas de debate e apresentação de autores. Na Tenda dos Estudantes, Santiago Nazarian bateu um papo divertido com o público jovem, falando de seu livro Garotos Malditos. A reação do pessoal foi ótima, com muitas risadas, principalmente das piadas politicamente incorretas do autor.

Já na Tenda dos Escritores, o debate “História Escrita” abriu o dia, com a presença de Clóvis Bulcão e Luis Fernando Emediato. Não faltaram provocações por parte do jornalista e mediador Cadão Volpato. De um lado, havia Bulcão falando da importância do escritor de biografias se apaixonar pelos personagens que escreve; e do outro, Emediato discutindo qual a postura de sua editora frente às leis contra biografias no Brasil.

IMG_4683
Luiz Fernando Emediato, Cadão Volpato e Clóvis Bulcão

Na mesa seguinte, o leitor acompanhou o debate sobre o tema “Palavras que narram sentimentos”, na qual João Anzanello Carrascoza, Andrea del Fuego e Marcos Peres intercruzaram concepções diferentes no modo de ver a ficção. Del Fuego enfocou a questão das diferenças entre seu primeiro romance Os Malaquias e, seu último, As Miniaturas; principalmente no que tange à mudança de linguagem, do lirismo no primeiro para um texto mais objetivo no segundo. Carrascoza citou as diferenças estruturais de um conto para um romance, comentando sua transição de um gênero para o outro. Já Marcos Peres abordou vários pontos da sua trajetória como escritor, entrando nos detalhes dos bastidores de seu livro ganhador do Prêmio Sesc de Literatura (2012/2013): O Evangelho Segundo Hitler.

IMG_4706
Andrea del Fuego, Cadão Volpato, Marcos Peres e João Anzanello Carrascoza

 

A última mesa do dia contou com a presença de Thiago Dottori e Fernando Bonassi, dialogando sobre “Literatura vai ao cinema”. Dottori falou de sua experiência como roteirista, trabalhando em obras como VIPs, OS 3 e Pedro e Bianca. Bonassi contou um pouco de como foi ser co-autor de Carandiru e Cazuza – O tempo não para. A mesa também girou em torno da transposição midiática que acontece ao levar uma obra da literatura para o cinema.

IMG_4714
Thiago Dottori, Cadão Volpato e Fernando Bonassi

Domingo é o último dia do evento (confira a programação aqui), que está sendo marcado como uma iniciativa digna de atenção, levando-se em conta o tamanho da cidade de Extrema, pequena, mas charmosa, e com grande potencial turístico.

***

Veja outras fotos do evento abaixo:

IMG_4697 IMG_4696

IMG_4695

IMG_4693

IMG_4692

IMG_4690

IMG_4686

IMG_4685

IMG_4684

IMG_4682

IMG_4681

IMG_4680

IMG_4674

IMG_4672

IMG_4657

IMG_4656

IMG_4648

Vilto Reis
Autor do livro "Um gato chamado Borges", professor de escrita criativa e apresentador do Podcast de Literatura 30:MIN.
Vilto Reis
Autor do livro "Um gato chamado Borges", professor de escrita criativa e apresentador do Podcast de Literatura 30:MIN.
- Advertisment -

Em Alta

- Advertisment -