Gustavo Czekster

Gustavo Czekster
Nome
Gustavo Czekster
Bio
Gustavo Melo Czekster é formado em Direito pela PUCRS e mestre em Letras, Área da Literatura Comparada, pelo Instituto de Letras da UFRGS. Atualmente está cursando o Doutorado em Escrita Criativa da PUCRS. Participante de oficinas literárias, é autor do livro “O homem despedaçado”, lançado em 2011 pela Editora Dublinense
Twitter
Facebook
Medium

Recent Post byGustavo Czekster

Quando a Beleza desperta o Horror – Contraforte, de Rudinei Kopp

Um dos pensamentos mais comuns associados à fruição estética de uma obra de arte afirma que ela existe para elevar o espírito e nos transformar em seres melhores. Nunca essa discussão foi tão necessária quanto nos dias em que vivemos, no momento em que as obras de arte sofrem valorações baseadas em questões subjetivas do […]

As pequenas impossibilidades de Cesar Cardoso

As breves impossibilidades de uma coletânea de minicontos Pela sua própria natureza, o conto possui como característica o fato de ser curto. No entanto, essa brevidade não implica em dar um tratamento superficial à história. Ao contrário, o conto bem sucedido é aquele que, por trás de uma aparência simples e quase descuidada, esconde um […]

Rô Mierling e a dolorosa arte de aceitar o Destino

O Destino de uma personagem é tão inescapável? A contracapa de Diário de uma escrava, de Rô Mierling, descreve com dados estatísticos o tema a ser tratado pela obra de ficção: “No Brasil, todo ano, 250 mil pessoas somem sem deixar vestígios. Desse total, 40 mil são menores de idade, dos quais um terço são […]

Mário de Andrade no Rio: o escritor como personagem da própria história

Em Mário de Andrade – Exílio no Rio, Moacir Werneck de Castro tenta transmitir toda a efervescência que marcava a cena cultural carioca, com o escritor transitando maravilhado e um tanto entontecido em sua estadia pela cidade Ao final da leitura de “Mário de Andrade – Exílio no Rio” (Editora Autêntica), uma dúvida: o livro é a […]

Jean Cocteau e a beleza da decadência

Não existiu apenas um Jean Cocteau, mas vários: poeta, dramaturgo, crítico de arte, cineasta, artista plástico, e o autor de Dificuldade do ser É impossível falar de Jean Cocteau (1889-1963) sem descrever a sua habilidade de se multiplicar. Não existiu um Cocteau, mas vários: temos o poeta, que reclamava possuir poucos leitores; o dramaturgo, responsável por […]