Carina Carvalho

Nome
Carina Carvalho
Bio
Paulistana, é formada em Letras e com elas trabalha. Mestranda em Estudos Literários na Unifesp. Em 2013 publicou o livro de poemas "Marambaia" (Editora Patuá) e, em 2017, a plaquete de poemas "Passiflora" (edição de autora). Inventa mil coisas a fazer mais ou menos a cada estação, daí varia entre realizá-las ou deixá-las pra logo mais.
Twitter
Facebook
https://www.facebook.com/carina.carvalho.39
Medium

Recent Post byCarina Carvalho

“Sem gentileza”, de Futhi Ntshingila: a força como via de subsistência

Futhi Ntshingila, em sua obra Sem gentileza, apresenta uma narrativa de resistência, que tem como cenário os guetos da África do Sul em pleno apartheid Na capa há a silhueta de uma mulher grávida, com as letras do título vazadas em seu corpo. Apurando um pouco o olhar, podemos arriscar que a figura retrata, na […]

O lirismo como voz em ‘Mornas eram as noites’, de Dina Salústio

Os 35 textos bastante curtos de Mornas eram as noites mergulham no calor de histórias com um lirismo intenso, em que a subjetividade desponta na narrativa   Segundo os dicionários, algo morno se caracteriza pela ausência de energia, de vida, pela pouca intensidade e até por certa monotonia. O adjetivo parece descabido, no entanto, se […]

Um lado obscuro nigeriano: ‘Hibisco roxo’, de Chimamanda Ngozi Adichie

Fanatismo, violência, repressão e descobertas acerca da vida são elementos que constituem o enredo de Hibisco roxo, da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie   A garota está em pé numa banheira, descalça, olhando para o pai. Um breve e tenso diálogo acontece, em que ela confessa ter caminhado na direção do pecado: dormira na mesma casa […]

Corrupção e choque entre culturas: A paz dura pouco, de Chinua Achebe

Em A paz dura pouco, o nigeriano Chinua Achebe representa os movimentos que corrompem o homem, os conflitos entre a emancipação individual e a submissão às tradições, entre o idealismo e a concessão ao poder do dinheiro Obi Okonkwo é réu, com uma expressão tão plácida quanto indiferente, no julgamento que discute o fato de ter sido […]

Paulina Chiziane: uma voz feminina em África

Com o seu primeiro livro, Balada de Amor ao Vento, a escritora Paulina Chiziane foi a primeira mulher moçambicana a publicar um romance Embora haja, atualmente, nomes de grande relevância protagonizando a literatura africana em língua portuguesa, ainda não é expressiva sua difusão em nosso país. É fundamental, assim, que tanto a leitura quanto o […]

‘Os transparentes’, de Ondjaki

Lírico, o romance Os transparentes, de Ondjaki, retrata Angola com fidelidade em seus problemas e virtudes Se por vezes o amarelo forte dos dias em Luanda faz a cidade escorrer de calor, derretendo as horas, não por menos ocasiões os personagens sentem-se fracos em sua própria existência na trama de Ondjaki: Os transparentes. Em uma atmosfera […]