Autor: Murilo Reis

Mestrando em Estudos Literários pela Unesp, escreveu o livro de contos "Identidades secretas" (Lamparina Luminosa, 2016). É autor do blog O paralelo (oparaleloblog.wordpress.com). @murilunk

A cicatriz de Rudinei

Tomando água? Santo chegava ao bar do Paulo. Estranhou ver Meleira bebendo algo que não fosse cerveja. A única coisa que não fugia da normalidade era o Marlboro de filtro…

Em vez de Sherlock Holmes, Vilela

Detetives que não enxergam

A solução dos casos sempre passa pela frente do detetive, mas ele nunca a enxerga. Essa frase (parafraseada) é dita pelo investigador Martin Hart, interpretado por Woody Harrelson na primeira…

Futebol bem jogado, texto bem escrito

Você gosta de futebol e literatura? Mas já pensou em como os dois campos mal se tocam na literatura brasileira? Em entrevista à Corner, o jornalista José Trajano avalia que…

A ponta do iceberg

Hemingway foi mestre em criar um iceberg com sua escrita Ricardo Piglia explica que o conto moderno contém duas histórias: uma aparente e outra secreta. Cabe ao leitor investigar o que…

Notas sobre televisão, filmes e literatura

Breves, mas certeiras palavras sobre Stranger Things, filmes do Tarantino e Terra Sonâmbula, de Mia Couto 1. Acho que já li uma boa dezena de textos sobre Stranger Things. Essa rapaziada…

Livros ainda são poucos

Para que servem os livros em pleno século XXI? A Rússia foi banida do atletismo nas Olimpíadas do Rio por conta dum esquema de doping. Parece que a Guerra Fria…

Meras notícias de rodapé

Sobre crimes em romances policiais e a narrativa da violência na vida real – são importantes ou meras notícias de rodapé?   Se há uma coisa que permanece imutável desde…

O leitor assume o papel do detetive em “E não sobrou nenhum”

Nesse romance policial sem detetive, quem investiga é o leitor E não sobrou nenhum, de Agatha Christie, é tido como o romance policial mais vendido da história. Publicado pela primeira…

Livro de câmera

O narrador posicionado do “lado de fora” da história relata todos os acontecimentos da narrativa por meio de sua “câmera”, fazendo um exercício de troca de perspectivas comum nos romances…

@homoliteratus on Instagram