Autor: Luigi Ricciardi

Luigi Ricciardi é doutorando em literatura (UNESP/Araraquara) e vive em Maringá/PR. Publicou dois livros de contos Anacronismo Moderno (2011), Notícias do Submundo (2014) e Criador e Criatura (2015). Quando se trata de livros é oniomaníaco (para vinhos e cervejas também). Gosta de uma mesa de bar, bebida, risadas e filosofia. É tarado por literatura. E por viajar. Vive buscando estradas.

A formação do escritor

É possível viver da escrita sem se preparar para ela? Nos últimos anos, tem se falado muito sobre a profissionalização do escritor. Várias discussões foram lançadas a partir da pergunta:…

A fobia e logos da Bio

Em Biofobia, Nazarian constrói um ótimo de thriller aberto a múltiplas interpretações Menos fragmentado que seus romances anteriores, sobretudo A morte sem nome (2004), Santiago Nazarian lançou em 2014 um…

O silêncio premiado de Raduan Nassar

Raduan Nassar, que não publica nada de novo desde os anos noventa, é laureado com o Prêmio Camões O Prêmio Camões é a premiação máxima das literaturas em língua portuguesa….

Pluralidade romanesca

Tantas vertentes na literatura brasileira atual mostram que a ausência de voz uníssona é justamente a voz dos tempos Foi-se o tempo que, quando se queria entender um período literário…

Outros 21 romances do século XXI

Mais 21 romances de escritores brasileiros, publicados a partir de 1 de janeiro de 2001, que você precisa conhecer Devido ao grande número de leitores que reagiram à primeira lista…

Eco e uma biblioteca misteriosa que me jogou nas profundezas literárias

A perda de Eco e de uma academia humanizada Pelos corredores escuros de uma biblioteca de subsolo, fui iniciado em uma seita secreta que remontava há séculos antes de Cristo….

Literatura e futebol: o “país do futebol” ainda nos deve um grande romance do esporte bretão?

Sérgio Rodrigues e José Trajano em duas grandes homenagens ao futebol brasileiro Se encarássemos a literatura brasileira como uma seleção de futebol, talvez, no lugar da sonhada e mítica seleção…

Belo e Feio: a literatura é feita para falar somente de coisas belas?

Ernest Hemingway e Herman Melville poetizando o grotesco Ainda encontro muita gente que gosta de ler apenas histórias previsíveis com finais felizes mais simplórios do que as novelas da Rede…

A poesia inteira do ‘Poétiquase’

Bruna Kalil Othero, colunista do Homo Literatus, dá a luz à sua “lírica instantânea” Foi com grande receio que aceitei o desafio de falar sobre o livro da Bruna Kalil…

Galileia e a dura terra que é o coração humano

Romance vencedor do Prêmio São Paulo de Literatura de 2009 fala de uma terra inóspita e abstrata O cearense radicado no Recife, Ronaldo Correia de Brito, que também é médico,…

@homoliteratus on Instagram