Mario Filipe Cavalcanti

Mario Filipe Cavalcanti
Nome
Mario Filipe Cavalcanti
Bio
Advogado graduado pela Ufpe, escritor, prêmio Pernambuco de literatura com o livro "Caninos amarelados" (Cepe, 2016), leitor voraz e pianista retraído, é ainda algumas coisas mais e, sobretudo, absolutamente nada.
Twitter
Facebook
Medium

Recent Post byMario Filipe Cavalcanti

O Faroeste feminista de ‘Godless’, da Netflix

Godless, minissérie da Netflix,é um faroeste onde as mulheres dão voz à série Uma minissérie da Netflix que veio pra salvar o ano de 2017 foi, sem dúvidas, Godless. A produção criada por Scott Frank e produzida por Steven Soderbergh e Casey Silver, lançada no último 22 de novembro, traz um enredo típico de faroeste, […]

Noturno sem música ou o Werther pernambucano de Gilvan Lemos  

Um Werther pernambucano anulado na melodia cotidiana Quando Goethe pôs o ponto final nos Sofrimentos do seu jovem Werther, a arma não tinha falhado, muito menos a direção do projétil e, como Kafka faria mais tarde, toda dor humana somente pôde ser vertida pela completa e irrevogável aniquilação do sujeito. Pode-se dizer que Werther se […]

Retratos da resistência – Uma página sobre filosofia africana num país racista

“A academia é um dos mais importantes baluartes do racismo”, Wanderson Flor do Nascimento, professor de Filosofia da UnB, em entrevista ao Homo Literatus Manchetes como “jovem negra é acusada injustamente de roubar um casaco que era seu” e “motorista é confundido com assaltante e denuncia loja por racismo”, podem causar espanto a quem crê fielmente […]

E o Michel Temer agora quer ser poeta

Nosso presidente, Temer, é poeta – pode isso? Dizem que o destino de Judas está relegado a todos os traidores. Contudo, por ora Michel Temer ainda goza de bastante proteção de sua guarda presidencial e de seus ajudantes de ordens, no Palácio do Planalto, morada que conseguiu à guisa de estratégias do tipo Frank Underwood. Falando […]

Machado ontem, Machado hoje, Machado sempre

O que torna Machado de Assis um nome tão relevante mais de cem anos após a sua morte? Machado de Assis costumava dizer em suas crônicas que as polêmicas são oniscientes e eternas (como a divindade?) sempre que uma estoura, poderíamos dizer, há outra sendo fiada pelas Moiras do entretenimento público. Seguindo essa fina ironia […]

Esconderijos do tempo: a poética das coisas pequenas, de Mario Quintana

O faz do poeta Mário Quintana tão amado e admirado ainda hoje? Não há dúvidas de que Mario Quintana é um dos maiores poetas brasileiros e, assim, da língua portuguesa. Óbvio que não se quer furtar o título ao Fernando Pessoa, que por sinal é o maior na escala Richter da lira, mas há que […]

O grande romance de Simenon: a França de Vichy, um anti-herói formidável e a neve sempre suja

Enquanto o protagonista se revela, a neve vai ficando cada vez mais suja Um escritor que ganhou lugar de destaque na minha biblioteca, junto a Robert Walser, Franz Kafka, Clarice Lispector e tantos outros, é o belga de língua francesa Georges Simenon! É óbvio que preciso falar sobre o seu  romance  La neige était sale […]