Julianna Motter

Julianna Motter
Nome
Julianna Motter
Bio
Graduanda em Filosofia pela Universidade de Brasília e Jornalismo pelo Centro Universitário de Brasília. É blogueira desde 2007. Participa do coletivo de poetas Ex-estranhos, mas não tem certeza se é mesmo poeta ou se na hora de pegar um desvio, foi parar na linha certa.
Twitter
Facebook
Medium

Recent Post byJulianna Motter

Conto: Teu jeito de ser sempre janeiro

Marília, algo em ti me faz muito feliz, fico tentando descobrir o quê. Não sei, deve ser esse teu jeito certo de ser sempre tão triste. Chega uma hora dessas e eu só penso em teu nome, e o repito em voz alta como se isso bastasse pra acelerar as horas e amanhecer logo o […]

Qual a função da linguagem em Santo Agostinho?

Na lacuna que separa a Idade Antiga da Idade Medieval, coabita o legado filosófico de Santo Agostinho. Um homem de dois lados: antigo em sua maneira de fazer filosofia, mas também capaz de antever aquilo que seria próprio da cultura medieval. Um homem que, como muitos, se vê dividido entre o mundo sensível e o […]

O sublime na filosofia moral de Hume

De acordo com a filosofia moral de David Hume, através de nossos juízos morais nada afirmaríamos sobre o mundo, apenas expressaríamos ou projetaríamos nossas próprias reações psicológicas em relação a certos fatos e acontecimentos. Essencial para adentrar a filosofia de Hume é ter em mente que “através de nossos juízos morais nada afirmaríamos de verdadeiro ou […]

A literatura, os clássicos e os pés na filosofia

A filosofia carece que a Verdade se multiplique de maneira a se mostrar inalcançável, ou composta por infinitas verdades, diversas fases que não se esgotam, ou onde releituras nunca se findam em combinações. O debate sobre a relevância do passado para a filosofia aparece já na consolidação do que, hoje, representa para nós seu passado […]

Os pontos ligados de Gregorio Duvivier

A poesia de Gregorio Duvivier e um pouco da sua trajetória. Poemas de amor, certamente. E de big bang, certeiros. “Eu sei pelo cheiro de menta e pipoca que dá quando a gente ama”, imagéticos e bem cheirosos, como se tivessem acabado de sair do banho, lavar as mão com o detergente de maçã, ou […]

Hannah Arendt e a poesia

Quando se pensa em Hannah Arendt, algumas peças-chave vêm à cabeça: filosofia, teoria política, liberdade, judaísmo, Heiddeger, nazismo, totalitarismo, banalidade do mal, condição humana. Tudo isso esteve presente na formação de sua persona e, principalmente, de sua obra. Mas houve uma Hannah para além disso, tão viva hoje quanto seu legado, uma Hannah pouco conhecida: […]

Adélia Prado – depois de 3 anos, o silêncio poético se rompe

Depois de 3 anos sem publicar, Adélia Prado quebra seu silêncio poético e traz às livrarias o livro Miserere, uma coletânea de 38 poemas. Quando eu tenho uma carreira, posso estar triste ou alegre que tenho de trabalhar. Com a arte não é assim. O estatuto é dela. Adélia Luzia Prado de Freitas é uma […]